Exclusivo Só um milagre poderá salvar a mais antiga barbearia lisboeta

Provavelmente, no fim do ano, a barbearia Campos, fundada em 1886, no largo do Chiado, fecha as portas definitivamente. É a mais antiga de Lisboa e do país em atividade, mas a pandemia está a provocar uma razia maior que qualquer corte de barba e cabelo.

Foi em 1886 que o bisavô dos atuais proprietários fundou a Barbearia Campos, situada em pleno Largo do Chiado, então chamado Largo do Loreto. De então para cá, a casa criada por José Augusto de Campos permaneceu na família, apesar de esta ter deixado de ter barbeiros à segunda geração do negócio. José Lopes lê o jornal, de pé, à porta do estabelecimento, fazendo orelhas moucas ao barulho da obra do prédio ao lado. "Não sou barbeiro e não sou dono disto. Sou zelador do espaço no interesse da família", apresenta-se. Na verdade, até tem curso de barbeiro, feito em 2014, para, além do negócio, saber da arte; e até é sócio por herança, após a morte da mulher, bisneta do fundador. Conhece os cantos à casa, domina a sua história e conhece cada um dos utensílios ali expostos como se os tivesse usado numa vida passada.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG