Candidatura das Festas do Povo de Campo Maior aceite pela UNESCO

A candidatura das Festas do Povo de Campo Maior a Património Cultural Imaterial vai ser analisada em dezembro no Sri Lanka.

A candidatura das Festas do Povo de Campo Maior (Portalegre) a Património Cultural Imaterial foi aceite pela UNESCO e vai ser analisada em dezembro, na 16.ª reunião do Comité do Património Mundial, no Sri Lanka.

A Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo explica esta quarta-feira, em comunicado, que a candidatura, a "única" apresentada por Portugal, foi aceite pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e vai ser analisada entre os dias 13 e 18 de dezembro, em Colombo, no Sri Lanka.

As Festas do Povo de Campo Maior, no distrito de Portalegre, passaram, em dezembro de 2018, a estar inscritas no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial e o processo relativo à candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, está em curso desde 2015.

Tradição secular e realizadas pela última vez em 2015, estas festividades tradicionais são conhecidas por apresentarem dezenas de ruas, sobretudo localizadas no centro histórico, "engalanadas" com milhares de flores de papel, feitas pela população.

Promovidas pela Associação das Festas do Povo de Campo Maior, as festas na vila alentejana só se realizam quando a população quer e são reconhecidas internacionalmente pela sua originalidade e cariz popular, com os habitantes a prepararem, durante meses, a ornamentação das ruas.

Esta tradição, identitária do povo de Campo Maior, tem vindo a ser transmitida de geração em geração oralmente e de forma informal, com os mais velhos a ensinar os mais novos a elaboração das flores que ornamentam os espaços públicos da vila.

A candidatura, que recebeu agora a "luz verde" da UNESCO, foi desenvolvida pelo município, ERT do Alentejo e Ribatejo e pela Associação das Festas do Povo de Campo Maior:

No Sri Lanka, onde vão ser avaliadas "60 candidaturas" de bens e manifestações apresentadas por diferentes países, vai ser votada.

A ERT do Alentejo e Ribatejo sublinha ainda que, caso a candidatura seja aprovada em dezembro, este será o 6.º título da UNESCO a ser atribuído ao território do Alentejo e Ribatejo.

Já estão classificados pela UNESCO o Centro Histórico de Évora e as Fortificações Abaluartadas de Elvas, como Património Mundial da Humanidade.

Já como Património Cultural Imaterial, a UNESCO distinguiu o Cante Alentejano e o Figurado de Barro de Estremoz, no Alentejo, assim como a Falcoaria de Salvaterra de Magos, no Ribatejo, enquanto o Fabrico de Chocalhos, baseado na tradição artesanal de Alcáçovas, em Viana do Alentejo (Évora), consta do Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente.

UNESCO aceitar Festas do Povo de Campo Maior enche de "orgulho" promotores

O presidente do Turismo do Alentejo e Ribatejo considerou um "motivo de orgulho e alegria" a aceitação pela UNESCO da candidatura das Festas do Povo de Campo Maior (Portalegre) a Património Cultural Imaterial.

"É um motivo de orgulho e de alegria para todos nós que trabalhamos este território, independentemente de ser ou não turismo. Aliás, esta candidatura tem fundamentalmente uma vertente cultural", disse Vítor Silva, em declarações à agência Lusa.

"Estou perfeitamente convencido" de que a candidatura "vai ser aprovada", afiançou o presidente da Turismo do Alentejo e Ribatejo, uma das entidades promotoras da iniciativa, juntamente com a Câmara de Campo Maior e a Associação das Festas do Povo de Campo Maior.

Segundo Vítor Silva, a candidatura "está muito bem feita e preenche todos os requisitos que a UNESCO exige nestas circunstâncias, nomeadamente por ser uma manifestação popular e não elitista, ser uma coisa enraizada no povo".

A aceitação da candidatura, fruto de "um trabalho importante" que foi realizado, é, pois, também "um passo importante" rumo ao objetivo final, a classificação.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Campo Maior, João Muacho, considerou que esta decisão da UNESCO "é um sonho praticamente realizado, que está ao virar da esquina".

O autarca acrescentou que "é com muito entusiasmo e satisfação" que a população recebeu esta notícia, que poderá levar ao reconhecimento daquela arte em dezembro.

"Acaba por ser o reconhecimento do excelente trabalho e da excelente cultura popular que o povo de Campo Maior transmite e sabe dar ao mundo", disse.

As Festas do Povo de Campo Maior, no distrito de Portalegre, passaram, em dezembro de 2018, a estar inscritas no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial e o processo relativo à sua candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, está em curso desde 2015.

Tradição secular e realizadas pela última vez em 2015, estas festividades tradicionais são conhecidas por apresentarem dezenas de ruas, sobretudo localizadas no centro histórico, "engalanadas" com milhares de flores de papel, feitas pela população.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG