Regulador do Brasil autoriza testes em humanos de vacina nacional

A vacina brasileira será aplicada com duas doses, num intervalo de 28 dias entre a primeira e a segunda aplicação.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) brasileira autorizou na quarta-feira a investigação clínica da ButanVac, a primeira vacina contra a covid-19 desenvolvida no país, através do Instituto Butantan, podendo ser testada em humanos.

"Antes de iniciar a vacinação dos voluntários, o Butantan ainda apresentará algumas informações complementares sobre testes em andamento com a vacina. Logo em seguida, o Butantan deve iniciar a aplicação experimental da Butanvac. Esta será a primeira vez que a Butanvac será aplicada em humanos e por isso serão conduzidas as fases clínicas 1 e 2", indicou a Anvisa em comunicado.

Para a autorização do estudo clínico, a Anvisa e o Butantan realizaram ao longo dos últimos dois meses uma intensa troca de informações e de reuniões com objetivo "de que todos aspetos do estudo estivessem claros e com garantias de segurança aos voluntários", explicou o órgão regulador do Brasil.

A investigação clínica das fases 1 e 2 da Butanvac está dividida em três etapas (A, B e C).

Neste momento, está autorizada a etapa A do estudo que vai envolver 400 voluntários. Ao todo, as fases clínicas 1 e 2 têm previsão de envolver seis mil voluntários com 18 anos ou mais.

A vacina brasileira será aplicada com duas doses, num intervalo de 28 dias entre a primeira e a segunda aplicação.

"O estudo deve ser realizado no Hospital das Clínicas (FMUSP) e no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. A Agência vem trabalhando ininterruptamente na avaliação de todos os dossiês referentes aos produtos relacionados ao combate à Covid-19 que lhe foram apresentados", concluiu a agência.

O imunizante, que já foi testado em animais, já está em produção desde abril. O Butantan, um prestigiado centro de investigação médica de São Paulo, tem a expectativa de que 18 milhões de doses estejam prontas ainda em junho, e mais 40 milhões até ao final do ano.

Contudo, essa meta é considerada irrealista por alguns especialistas, uma vez que o novo imunizante nem sequer foi testado em humanos até ao momento.

O primeiro lote de um milhão de doses da Butanvac será fabricado a partir de uma remessa de 520 mil ovos, que servem de consumível para a produção do antídoto.

Essa metodologia é usada pelo Butantan há décadas para a produção da vacina contra a gripe.

O Instituto Butantan já produz no Brasil a vacina Coronavac, do laboratório chinês Sinovac, uma das mais utilizadas no país, que é um dos mais afetadas pela pandemia em todo o mundo, com 479.515 mortes e mais de 17,1 milhões de infetados.

O Brasil, com 212 milhões de habitantes e cujo plano de imunização contra a doença avança lentamente, também produz o imunizante da empresa anglo-sueca AstraZeneca e da Universidade de Oxford, mas na Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), órgão vinculado ao Governo Federal.

A pandemia de provocou, pelo menos, 3.750.028 mortos no mundo, resultantes de mais de 173,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG