Reféns libertados, sequestrador abatido. Biden condena extremismo

O Presidente dos EUA saudou a libertação dos reféns da sinagoga do Texas e, enquanto se aguardam detalhes sobre a motivação do sequestrador, disse ser necessário denunciar "o antissemitismo e ascensão do extremismo" no país.

Todos os reféns da sinagoga da Congregação Beth Israel, nos Estados Unidos, "estão a salvo", segundo o governador do Texas Greg Abbott, e o sequestrador foi morto, informou a polícia local.

Pelo menos quatro pessoas tinham sido sequestradas por um homem, no sábado, dentro da sinagoga, em Colleyville. Um deles era um rabino. Um primeiro refém tinha sido libertado ainda no sábado.

"Estou grato face ao trabalho incansável das forças de segurança, a todos os níveis, que agiu de forma cooperativa e corajosa para resgatar os reféns. Estamos a enviar amor e força aos membros da Congregação Beth Israel, Colleyville, e à comunidade judaica", afirmou Joe Biden no sábado à noite.

Biden quis "ser claro" para qualquer um que queira espalhar o ódio no país: "Vamos opor-nos ao antissemitismo e ao aumento do extremismo".

Pouco antes, o chefe da polícia local indicou que os investigadores acreditam que o suspeito se centrou "numa questão que não ameaçava especificamente a comunidade judaica".

Todos os reféns da sinagoga da Congregação Beth Israel, nos Estados Unidos, "estão a salvo", segundo o governador do Texas Greg Abbott, e o sequestrador foi morto, informou a polícia local.

Um primeiro refém já tinha sido libertado, de boa saúde, após ter sido detido durante mais de seis horas, enquanto o FBI continuava a negociar com o suspeito no crime.

O evento levou a uma maior proteção policial em várias sinagogas e instituições judaicas nas principais cidades nos Estados Unidos, tais como Dallas, Nova Iorque e Los Angeles, para detetar qualquer possível ameaça antissemita decorrente do que aconteceu em Colleyville.

Vários 'media' noticiaram que o suspeito afirmava ser irmão de uma neurocientista paquistanesa, suspeita de ter ligações a um grupo extremista islâmico, condenada por tentar matar militares norte-americanos e agentes do FBI enquanto se encontrava sob custódia no Afeganistão.

O sequestrador exigiu a libertação da irmã, que cumpre uma pena de 86 anos no Texas.

Quem é a mulher que o sequestrdor queria libertar

A cientista paquistanesa cuja libertação foi exigida pelo sequestrador é paquistanesa, tem 49 anos, e chama-se Aafia Siddiqui, estando a cumprir uma pena de 86 anos de prisão num hospital-prisão em Fort Worth, perto de Dallas, nos Estados Unidos.

A sua libertação já tinha sido exigida por movimentos 'jihadistas'

Formada nos Estados Unidos, Aafia Siddiqui foi a primeira mulher a ser suspeita de ter ligações à Al-Qaeda nos Estados Unidos.

Aafia Siddiqui viajou para os Estados Unidos aos 18 anos, tendo ido morar com o irmão, e foi estudar na prestigiada universidade MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), em Boston, obtendo depois um doutoramento em neurociência pela Brandeis University.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, Siddiqui foi procurada pelo FBI na sequência das suas doações a organizações islâmicas e ligação à compra de óculos de visão noturna e livros de guerra, no valor de 10 mil dólares (cerca de 8.700 euros).

Os Estados Unidos suspeitam que a cientista paquistanesa se juntou à Al-Qaeda nos Estados Unidos e depois regressou ao Paquistão, onde se casou com um membro da família de Khalid Sheikh Mohammed, um dos mentores dos ataques de 11 de setembro de 2001.

FBI diz que sequestro não foi ataque à comunidade judaica

O FBI, o Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos, afirmou hoje que o homem que manteve reféns durante horas numa sinagoga do Texas estava focado numa questão específica e não na comunidade judaica.

O agente especial do FBI Matt DeSarno, que coordena este caso, adiantou não haver indicação imediata de que o homem estivesse incluído num plano mais amplo de ataques, mas admitiu que a investigação da agência "terá alcance global".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG