Putin promete "partir os dentes" a quem ameaçar território da Rússia

O presidente russo lembrou que datam de há séculos as tentativas para controlar o seu país. "Quando a Rússia se torna mais forte, encontram pretextos para impedir o seu desenvolvimento", disse.

O presidente russo, Vladimir Putin, assegurou esta quinta-feira que o seu país "partirá os dentes" e quem procurar apoderar-se de partes do seu território, num contexto de persistentes tensões com os ocidentais.

Em duras declarações durante uma reunião com responsáveis oficiais, o presidente russo assinalou que as tentativas vindas do exterior para controlar a Rússia datam de há séculos. "Desde sempre aconteceu o mesmo: quando a Rússia se torna mais forte, encontram pretextos para impedir o seu desenvolvimento", indicou Putin, alegando que alguns críticos da Rússia argumentam ser injusto que mantenha as suas vastas riquezas naturais apenas para si.

"Mesmo após ter perdido um terço do seu potencial [com a queda da URSS], para alguns a Rússia é ainda demasiado grande. Com efeito, o potencial é colossal e o território permanece o mais vasto do mundo", acrescentou, segundo as imagens transmitidas pela televisão.

No entanto, não precisou quais os países visados nas suas declarações. "Todos querem morder-nos ou morder alguma coisa nossa, mas aqueles que gostavam de o fazer devem saber que partiremos os seus dentes para que não possam morder", disse ainda o líder russo. "O desenvolvimento na nossa capacidade militar é a garantia disso".

A modernização das Forças Armadas do país tem constituído uma das principais prioridades do Kremlin, o que se acentuou com a degradação das relações com os Estados Unidos e seus aliados, e que já atingiu o ponto mais baixo desde o fim da Guerra Fria.

Putin voltou a elogiar as últimas armas desenvolvidas pela Rússia, incluindo os mísseis supersónicos "Avangard", apresentados como capazes de ultrapassar qualquer sistema de defesa antimíssil.

Em 2016, o líder russo tinha já referido pela televisão que "as fronteiras da Rússia não terminam em nenhuma parte", dois anos após a anexação da península da Crimeia e um ano após ter garantido um decisivo apoio militar ao Presidente da Síria, Bashar al-Assad.

Para além da questão da Ucrânia, incluindo o conflito no leste, entre Kiev e separatistas pró-russos, as relações entre a Rússia e os ocidentais agravaram-se com as acusações de ingerência eleitoral, espionagem e ciberataques atribuídos a Moscovo.

No entanto, Moscovo regozijou-se hoje com os "sinais positivos" nas relações russo-norte-americanas após o abandono por Washington de diversas sanções contra o estratégico gasoduto Nord Stream 2, e um encontro "construtivo" entre os chefes da diplomacia dos dois países.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG