Produção de vacinas confronta-se com várias falhas nos fornecimentos

Regista-se escassez em vários materiais para a produção de vacinas, como vidro para fazer frascos e plásticos ou tampas. Isto quando a indústria farmacêutica tenciona produzir 10 mil milhões de doses este ano.

A cadeia de aprovisionamento para a produção das vacinas contra o novo coronavirus está a confrontar-se com várias penúrias relativas a ingredientes, vidro para fazer frascos, plástico ou tampas, alertaram terça-feira os principais intervenientes nestas operações.

Os parceiros do sistema Covax - Organização Mundial de Saúde (OMS), a Aliança para as Vacinas (Gavi) e o seu ramo para a investigação (Cepi) --, a Federação Internacional da Indústria Farmacêutica (IFPMA), fabricantes dos países em desenvolvimento, peritos e representantes governamentais reuniram-se de forma virtual para discutir os desafios causados pela produção em grande escala das vacinas.

A indústria farmacêutica tenciona produzir 10 mil milhões de doses de vacinas este ano, o que é o dobro da capacidade de produção em 2019, todas as vacinas consideradas.

o maior aumento de produção que o mundo alguma vez conheceu", declarou o diretor-geral da IFPMA, Thomas Cueni, depois da reunião. "Não é surpreendente que existam problemas", acrescentou.

A pandemia do novo coronavirus já provocou mais de 2,6 milhões de mortos no mundo, desde o final de 2019, suscitando uma procura inédita por vacina.

Para fabricar as doses, são necessários não só ingredientes em quantidades sem precedente, mas também vidro para os frascos, plástico e tampas, quando as cadeias de abastecimento mundializadas estão desestabilizadas pela pandemia.

"As empresas começam a assinalar penúrias pontuais de materiais essenciais, matérias-primas (...) e até de equipamentos necessários à produção das vacinas"

Por seu lado, o diretor do Cepi, Richard Hatchet, afirmou: "Vimos nas últimas semanas e últimos meses um aumento as tensões a nível das cadeias de aprovisionamento".

Acrescentou também que "as empresas começam a assinalar penúrias pontuais de materiais essenciais, matérias-primas (...) e até de equipamentos necessários à produção das vacinas".

Inquietou-se ainda por alguns países quererem "impor controlos sobre as exportações (...), como os EUA".

Em comunicado, os participantes na reunião apelaram à livre circulação dos bens e da mão-de-obra.

Encorajaram igualmente as transferências de tecnologia e parcerias de produção entre os laboratórios e os fabricantes de vacinas, como a AstraZeneca fez com o Serum Institute, da Índia.

Contudo, não foi feita qualquer menção à proposta da Índia e África do Sul de um levantamento temporário das patentes submetida à Organização Mundial do Comércio, que foi criticada pelos laboratórios.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG