Prefeito do Rio de Janeiro fecha as praias para controlar vírus. "É hora de ficar em casa"

É já a partir deste sábado que o acesso às praias cariocas ficará totalmente proibido, "inclusive para a prática de desportos e banhos de mar", anunciou o prefeito do Rio de Janeiro. Uma medida que pretende travar a propagação do novo coronavírus.

O prefeito da cidade brasileira do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, anunciou esta sexta-feira o encerramento das praias na tentativa de limitar a contaminação pelo novo coronavírus, num momento em que os internamentos atingem recorde.

A partir de sábado, o acesso às praias 'cariocas' ficará totalmente proibido, "inclusive para a prática de desportos e banhos de mar", afirmou Eduardo Paes numa conferência de imprensa.

"A situação é muito crítica e faço um apelo aos cariocas: é hora de ficar em casa", acrescentou.

Há um ano, no início da pandemia, as praias do Rio de Janeiro foram completamente fechadas, mas depois o banho de mar foi permitido, desde que os banhistas não se demorassem na areia.

Isso não impediu que as praias 'cariocas' ficassem regularmente lotadas e todas as proibições acabaram por ser suspensas em novembro, pouco antes do verão na América do Sul.

Bares e restaurantes fecham a partir das 21:00, mas medidas podem ser ainda mais duras

A Prefeitura do Rio de Janeiro já tinha anunciado outras restrições nas últimas semanas, como o recolher obrigatório das 23:00 às 5:00 e o fechamento de bares e restaurantes a partir das 21:00.

Eduardo Paes prevê tomar medidas "ainda mais restritivas" na próxima segunda-feira, após participar numa reunião com a comissão científica que orienta as decisões municipais.

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado esta manhã, 620 pacientes estavam em camas de cuidados intensivos nos hospitais públicos do Rio na quinta-feira, elevando a taxa de ocupação para 95%.

A covid-19 já matou 34 697 pessoas no estado do Rio de Janeiro, povoado por 17 milhões de habitantes.

A taxa de mortalidade é de 201 por 100 mil habitantes, a terceira maior do país, bem acima da média nacional (137) do Brasil, onde 287 499 vidas foram ceifadas pelo vírus que já contaminou mais de 11,7 milhões de pessoas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2 692 313 mortos no mundo, resultantes de mais de 121,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG