Perda de gelo nas últimas décadas cumpre os "piores cenários" científicos

A Terra perdeu 28 triliões de toneladas de gelo nas últimas décadas, o equivalente a uma camada de 100 metros de espessura a cobrir o Reino Unido, cumprindo os "piores cenários" científicos, indica um estudo.

Uma equipa de cientistas liderada pela Universidade de Leeds, no Reino Unido, efetuou um levantamento da perda global de gelo utilizando dados de satélite e constatou que, nos últimos trinta anos, verificou-se uma redução significativa com potenciais reflexos no aumento do nível do mar, que terá "impactos muito sérios nas comunidades costeiras neste século".

O estudo, que envolveu outras instituições de investigação e que foi publicado na revista científica The Cryosphere, concluiu que se registou um aumento de 65% na taxa de perda de gelo durante anos da pesquisa, verificando-se aumentos acentuados nas perdas dos mantos polares na Antártica e na Groenlândia.

"Embora todas as regiões que estudamos tenham perdido gelo, as perdas nas camadas da Antártica e da Groenlândia foram as que mais se aceleraram", alertou Thomas Slater, investigador principal do estudo, ao assegurar que essa situação está a cumprir os "piores cenários de aquecimento climático" estabelecidos pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

Segundo disse, nas últimas três décadas, tem havido um grande esforço internacional para entender a evolução do sistema de gelo da Terra, que tem sido impulsionado por satélites "que permitem monitorar rotineiramente as vastas e inóspitas regiões onde o gelo pode ser encontrado".

"Este estudo é o primeiro a combinar esses esforços, observando o gelo que está a ser perdido em todo o planeta", assegurou Thomas Slater, ao explicar que o aumento da perda de gelo foi desencadeado pelo aquecimento da atmosfera e dos oceanos em 0,26 graus e 0,12 graus por cada década, desde 1980.

De acordo com o estudo, o aumento da temperatura atmosférica tem sido o principal fator para o declínio do gelo do Ártico e dos glaciares de montanhas em todo o mundo, enquanto o aumento da temperatura do oceano acelerou o derretimento da camada de gelo da Antártica.

A pesquisa conclui ainda que cerca de metade da perda de gelo detetada verificou-se em terra -- em glaciares de montanha, na Gronelândia e na Antártica -, o que elevou o nível global do mar em 35 milímetros.

Estima-se que, para cada centímetro de elevação do nível do mar, cerca de um milhão de pessoas correm o risco de serem deslocadas das zonas mais baixas e costeiras.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG