Um português entre os 41 mortos em incêndio numa prisão indonésia

Governo lamenta morte de cidadão português no incêndio numa prisão indonésia. As autoridades ainda estão a investigar a causa, mas a investigação preliminar apontou para um curto-circuito numa das celas do bloco.

Pelo menos 41 presos morreram, entre eles um cidadão português, e dezenas de outros ficaram feridos num incêndio que eclodiu durante a noite passada numa prisão indonésia superlotada na região de Jacarta, revelaram as autoridades.

O Governo, através do Ministério dos Negócios Estrangeiros, lamentou a morte de um cidadão português neste incêndio, e diz que "estão em curso diligências junto da respetiva família para a prestação do apoio necessário nestas circunstâncias trágicas".

Fonte do gabinete da secretária de Estado das Comunidades disse à Lusa que a embaixada de Portugal na Indonésia "mantinha contacto regular" com o cidadão de nacionalidade portuguesa.

Este cidadão português morreu num incêndio que eclodiu na noite passada na prisão de Tangerang, uma cidade a oeste da capital indonésia, e que provocou pelo menos outros 40 mortos e dezenas de feridos.

"O fogo espalhou-se rapidamente e não houve tempo suficiente para abrir algumas celas", explicou o ministro da Justiça da Indonésia, Yasonna Laoly, durante uma conferência de imprensa.

O responsável acrescentou que "40 pessoas morreram no local, outra morreu a caminho do hospital" e que foram identificados oito detidos gravemente feridos.

O ministro apontou ainda para a existência de 31 feridos ligeiros.

Segundo a agência France Presse, que cita o ministro da Justiça indonésio, um detido sul-africano e um português estão entre os mortos.

Imagens televisivas mostraram bombeiros a lutar contra as chamas que varreram um dos prédios da prisão durante a noite, emitindo uma espessa nuvem de fumo.

Funcionários da Cruz Vermelha da Indonésia retiraram dezenas de vítimas para as ambulâncias e outras dezenas de corpos em sacos cor de laranja foram colocados numa sala da prisão de Tangerang, nos arredores de Jacarta, que acolhia principalmente detidos por tráfico ou consumo de drogas.

Os cadáveres das vítimas foram enviados para um hospital no leste de Jacarta, onde serão identificados. Testes de DNA serão necessários para algumas vítimas, lembrou o ministro da Justiça.

Os feridos graves foram transportados para hospitais na cidade de Tangerang e aqueles com ferimentos mais leves foram levados para uma clínica próxima do estabelecimento prisional.

Marlinah, parente de uma das vítimas do incêndio, foi ao hospital para identificar o corpo: "Vim assim que recebi a notícia sobre meu irmão mais novo, Muhammad Yusuf (...) Fui informada de que meu irmão nos tinha deixado e que o bloco C2 tinha ardido", disse a mulher à Agência France Presse.

Em lágrimas, Marlinah disse que esperava poder enterrar o irmão na sua cidade natal, Bogor, a leste de Jacarta.

As autoridades ainda estão a investigar as causas do incêndio, mas suspeitam de um problema elétrico numa das 19 celas do bloco C2 do estabelecimento prisional.

"Eu inspecionei o local do incêndio e, com base nas primeiras observações, o incêndio teria começado devido a um curto-circuito", disse Fadil Imran, chefe de polícia em Jacarta.

As instalações elétricas da prisão de Tangerang, construída em 1972, não são modernizadas há mais de 40 anos, disse o ministro da Justiça.

Essa prisão também abrigava duas vezes e meia mais detidos do que o esperado - mais de 2.000 em vez de 600 - segundo dados do site do departamento penitenciário.

O edifício que ardeu também estava superlotado, reconheceu a porta-voz da direção-geral das prisões, Rika Aprianti.

"A capacidade máxima do Bloco C era de 40 pessoas, mas era usado para 120 detidos", disse a responsável à Metro TV.

As prisões indonésias têm muitas vezes degradadas condições sanitárias e estão superlotadas. É bastante comum que os detidos fujam ou se revoltem contra as condições desumanas em que vivem.

Em 2019, pelo menos 100 presos escaparam de uma prisão na província de Riau, na ilha de Sumatra, após um incêndio.

Notícia atualizada às 10:28

Mais Notícias

Outras Notícias GMG