Origem da pandemia. Conselheiro da Casa Branca pede registos médicos à China

O imunologista Anthony Fauci quer ter acesso a registos médicos de trabalhadores do laboratório de Wuhan que terão ficado doentes em 2019.

O imunologista Anthony Fauci, conselheiro da Casa Branca, pediu à China registos médicos dos funcionários do laboratório de Wuhan que ficaram doentes em 2019. O objetivo é tentar analisar se a pandemia teve origem numa fuga do laboratório localizado na cidade chinesa, onde foram detetados os primeiros casos de covid-19, avançou na quinta-feira o jornal Financial Times.

"Gostaria de ver os registos médicos das três pessoas que foram reportadas como doentes em 2019. Elas realmente adoeceram? Se sim, com o quê?", questionou Fauci no relatório a que o jornal teve acesso.

Este pedido do diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA acontece numa altura em que os serviços de informação norte-americanos estão a levar a cabo uma investigação para apurar a origem da pandemia causada pela infeção por SARS-CoV-2, vírus responsável pela covid-19.

Aliás, no final de maio, soube-se que o presidente dos EUA, Joe Biden, pediu aos serviços secretos para "redobrarem os esforços" para tentar explicar a origem do novo coronavírus e exigiu um relatório num prazo de 90 dias.

Sem certezas absolutas quanto à origem da pandemia, os serviços de informação dos EUA estão a analisar relatórios do laboratório de virologia chinês em Wuhan dando conta de que cientistas estavam gravemente doentes em novembro 2019, um mês antes de serem reportados os primeiros casos de covid-19, explica a Reuters.

Os EUA afirmam ter, aliás, na sua posse uma "grande quantidade de dados" sobre a origem da pandemia. Segundo o jornal The New York Times, que cita como fontes funcionários dos serviços de informações, vai ser utilizada uma quantidade "extraordinária" de recursos informáticos para analisar se o vírus SARS CoV-2 saiu de forma acidental de um laboratório de Wuhan.

Fauci acredita na transmissão do vírus via animal, mas defende que investigações devem continuar

As investigações sugerem que a Administração norte-americana pode não ter esgotado a análise das bases de dados com comunicações chinesas, movimento dos trabalhadores do laboratório e estudo dos padrões sobre o surto da doença na cidade de Wuhan.

No entanto, a China tem rejeitado a hipótese de uma fuga acidental de um laboratório, considerando que o vírus podia estar a circular noutras regiões antes de chegar a Wuhan e que podia ter entrado no país através de alimentos congelados importados ou através do comércio de animais selvagens.

Ao Financial Times, o imunologista norte-americano Anthony Fauci afirmou que continua a acreditar que o vírus responsável pela pandemia foi transmitido aos seres humanos através de animais. O conselheiro da Casa Branca considera que mesmo que os cientistas do laboratório tenham sido infetados pelo SARS-CoV-2, eles podem ter contraído a doença entre a população. Ainda assim, defende que as investigações devem continuar até que uma possibilidade seja dada como provada.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG