OMS vigia nova variante, a Mu

Designada por B.1.621, batizada de "Mu" e identificada pela primeira vez na Colômbia, esta é uma "variante de interesse", de acordo com a classificação da OMS.

Cientistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) estão a monitorizar uma nova variante do SARS-CoV-2, batizada de "Mu", identificada pela primeira vez em janeiro na Colômbia, informou o organismo das Nações Unidas.

A variante denominada B.1.621, de acordo com a nomenclatura científica, continua classificada como uma "variante de interesse", indicou a OMS no seu boletim epidemiológico semanal sobre a evolução da pandemia, publicado na noite desta terça-feira.

A variante tem mutações que podem indicar resistência às vacinas, mas são necessários mais estudos para perceber melhor as suas características, explicou a OMS.

Nova variante apresenta "uma constelação de mutações"

"A variante Mu tem uma constelação de mutações", que indicam propriedades potenciais para "escapar à imunidade", refere o relatório da OMS, citado pela agência de notícias​​​​​ AFP.

Todos os vírus, incluindo o SARS-CoV-2, que causa a covid-19, sofrem mutações com o tempo, e a maioria delas tem pouco ou nenhum impacto nas características do vírus. No entanto, algumas mutações podem afetar as propriedades do vírus e influenciar, por exemplo, a sua capacidade de propagação, a gravidade da doença que causa ou a eficácia de vacinas, medicamentos ou outras medidas para combatê-la.

O surgimento em 2020 de variantes que apresentavam risco agravado à saúde pública a nível mundial levou a OMS a caracterizá-las como "de interesse" ou "preocupantes", com o objetivo de priorizar as atividades de vigilância e pesquisa global.

Variante Mu tem 39% de prevalência na Colômbia

A OMS adotou as letras do alfabeto grego para nomear as variantes e assim facilitar a sua identificação para o público em geral e evitar a estigmatização associada ao país de origem.

Quatro das variantes foram classificadas pela OMS como "preocupantes", incluindo a Alfa, presente em 193 países, e a Delta, que está em 170 países - em Portugal tem uma prevalência de 100% -, enquanto outras cinco foram classificadas como "de interesse", como a Mu.

A variante Mu foi detetada pela primeira vez na Colômbia no passado mês de janeiro e, desde então, foi identifica noutros países da América do Sul e na Europa.

"Embora a prevalência global da variante Mu entre os casos sequenciados tenha diminuído e atualmente seja inferior a 0,1%, a sua prevalência na Colômbia (39%) e no Equador (13%) aumentou constantemente", observou a OMS.

A Organização Mundial de Saúde reforçou que a "epidemiologia da variante Mu na América do Sul," nomeadamente em circulação ao mesmo tempo que a variante Delta, "será monitorizada" para que seja possível detetar eventuais alterações.​​​

Mais Notícias

Outras Notícias GMG