OMS "desiludida" com atraso na entrada de especialistas na China. Pequim nega acusação

Numa rara crítica a Pequim, o diretor da OMS afirmou estar "desapontado" com as autoridades chinesas, por não terem ainda permitido a entrada de uma equipa de especialistas que vai investigar as origens da covid-19. A China negou, entretanto, ter impedido especialistas da OMS de entrarem no país

O diretor da Organização Mundial da Saúde disse esta quarta-feira "estar desiludido" com as autoridades chinesas, por não terem ainda permitido a entrada na China de uma equipa de especialistas que vai examinar as origens da covid-19.

Numa rara crítica a Pequim, Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que os membros de uma equipa internacional de cientistas encarregada de rastrear a origem do novo coronavírus deixaram os respetivos países, nas últimas 24 horas, como parte de um acordo com o Governo chinês.

"Hoje soubemos que as autoridades chinesas ainda não finalizaram as permissões necessárias para a chegada da equipa à China", disse Tedros, durante uma conferência de imprensa, em Genebra.

"Estou muito desapontado com esta notícia, visto que dois membros já começaram a viagem e outros não puderam partir no último minuto", disse.

A China negou, entretanto, ter impedido a entrada no país de uma equipa de especialistas da OMS.

"A China está em contacto com a OMS para que especialistas possam visitar o país. A China está a trabalhar muito nas ambiciosas tarefas de prevenção, mas ainda enfrenta dificuldades para acelerar os preparativos, algo que a OMS sabe perfeitamente bem", afirmou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying.

Hua afirmou que "primeiro é preciso concluir os procedimentos necessários e tomar as medidas pertinentes".

"Ainda estamos a negociar com a OMS sobre isso", apontou. "Nunca houve qualquer problema de cooperação entre a China e a OMS. (...) As duas partes estão em contacto para marcar uma data e preparar a visita", acrescentou.

"Estamos ansiosos para iniciar esta missão o mais rápido possível"

Tedros garantiu que "deixou claro" que a missão é uma prioridade para a agência de saúde da ONU, e que tem a "certeza de que a China está a acelerar os procedimentos internos" para que os trabalhos de investigação arranquem.

"Estamos ansiosos para iniciar esta missão o mais rápido possível", disse.

Espera-se que os especialistas visitem a cidade de Wuhan, onde foram detetados os primeiros casos de covid-19 em dezembro de 2019.

O chefe de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, disse que a investigação devia ter arrancado na terça-feira, mas que as aprovações necessárias não foram ainda concedidas, incluindo a emissão de vistos.

China aponta para uma possível origem externa do vírus

A imprensa estatal e as autoridades chinesas têm difundido informações que apontam para uma origem externa do vírus, possivelmente através da importação de alimentos congelados, o que é rejeitado pela OMS.

Itália, Estados Unidos e Índia foram já apontados como locais de origem da doença.

"Cada vez mais pesquisas sugerem que a epidemia pode ter aparecido em muitos lugares do mundo", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, no fim de semana.

A OMS foi alvo de duras críticas por parte do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que acusou a organização de estar ao serviço da China.

Ryan disse que Tedros "tomou medidas imediatas" e contactou altos funcionários chineses para "enfatizar a natureza crítica" desta investigação.

Missão da OMS conta com 10 cientistas

"Esperamos que esta seja apenas uma questão logística e burocrática que possa ser resolvida muito rapidamente", acrescentou Ryan.

A missão é formada por dez cientistas (Dinamarca, Reino Unido, Holanda, Austrália, Rússia, Vietname, Alemanha, Estados Unidos, Qatar e Japão) reconhecidos em diversas áreas de atuação.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.854.305 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Atualizado às 10:48

Mais Notícias

Outras Notícias GMG