Mulheres manifestam-se em Cabul e queixam-se do "silêncio do mundo"

"Exigimos ao secretário-geral das Nações Unidas apoio aos nossos direitos, à educação e ao trabalho. Atualmente somos privadas de tudo", disse uma das organizadoras do protesto.

Uma dezena de mulheres afegãs manifestou-se esta terça-feira em Cabul para denunciarem o "silêncio" da "comunidades internacional" sobre a situação política, social e económica do Afeganistão tendo as forças talibãs impedido a cobertura jornalística do protesto.

As manifestantes apresentaram-se como membros do "movimento espontâneo das mulheres ativistas do Afeganistão" e brandindo cartazes com as inscrições: "Por que razão o mundo nos deixa morrer em silêncio?", "Direito à Educação" e "Direito ao Trabalho".

"Todos os dias a pobreza provoca a desgraça, as nossas crianças morrem, os homens não têm trabalho. Eles suicidam-se e o mundo mantém-se silencioso", disse Husna Saddat, uma das manifestantes presentes no protesto.

"Por que motivo, e até quando é que temos de ser prisioneiras nas nossas casas? Por que motivo ninguém nos entende? Por que motivo as mulheres não têm o direito de serem ativas na nossa sociedade?", acrescentou.

A manifestação que deveria ter decorrido próximo da missão das Nações Unidas no Afeganistão (Unama) dirigiu-se para a entrada da antiga "zona verde" onde se situam os edifícios das embaixadas internacionais, abandonadas após a tomada do poder pelos talibãs.

"Exigimos ao secretário-geral das Nações Unidas apoio aos nossos direitos, à educação e ao trabalho (...) atualmente somos privadas de tudo", disse à France Press Wahid Amiri, uma das organizadoras do protesto.

Numa altura em que as manifestações estão proibidas pelos talibãs sendo violentamente reprimidas desde a instauração do autoproclamado Emirado Islâmico, Amiri afirma que as mulheres apenas "querem manifestar-se de forma pacífica".

Os guardas talibãs presentes no local mandaram dispersar o protesto e impediram os jornalistas de se aproximarem da manifestação.

Uma dezena de guardas talibãs reforçou o contingente inicial e impediu os jornalistas de exercerem a profissão tendo confiscado um telemóvel a um repórter local que filmava o protesto.

As manifestações de mulheres tornaram-se mais frequentes nas últimas semanas, em Cabul.

Na quinta-feira passada, 20 afegãs foram autorizadas a desfilar durante uma hora e meia no centro da capital, mas os jornalistas estrangeiros tiveram dificuldades para se aproximarem das manifestantes durante o protesto.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG