Milhões de pessoas na China acompanham dia-a-dia de elefantes perdidos

Entre a manada mais famosa da China há estrelas emergentes, três elefantes bebés, entre os quais um que nasceu já após a fuga da reserva natural

Uma manada de elefantes que deixou a reserva natural em Xishuangbanna, região no sudoeste da China, são a nova sensação da Internet no país, uma vez que há milhões de pessoas que acompanham o dia-a-dia dos animais através da transmissão proporcionada por pelo menos uma dúzia de drones que os acompanham.

Os elefantes, que têm devastado tudo por onde passam no sudoeste do país e já causaram danos no valor de mais de um milhão de dólares, percorreram mais de 500 quilómetros desde que escaparam da reserva natural no ano passado e obrigaram a que os residentes das localidades por onde têm passado ficassem confinados em casa. Paralelamente, os internautas vão monitorizando o percurso da manada.

Entre a manada mais famosa da China há estrelas emergentes, três elefantes bebés, entre os quais um que nasceu já após a fuga da reserva natural.

Mais de oito milhões pessoas assistiram a um vídeo publicado esta semana em que um dos bebés ficou preso debaixo de um elefante adulto durante uma sesta perto da cidade de Kunming, no sudoeste da província de Yunnan. Outros vídeos mostravam os bebés elefantes a tropeçar desajeitadamente enquanto seguiam o resto da manada e um deles a mergulhar de cabeça numa piscina enquanto tentava beber água.

No domingo, a televisão estatal CCTV transmitiu imagens de camiões estacionados ao longo de uma pequena estrada secundária na tentativa de afastar a manada de áreas densamente povoadas.

"Estamos aqui para bloquear a passagem dos elefantes", afirmou um motorista de um camião à CCTV, dizendo ter agindo a pedido das autoridades. "Enquanto for necessário, ficarei aqui", descreveu.

O motivo desta migração permanece um mistério. Os zoólogos não entendem o que fez com que a manada deixasse a sua reserva.

Os elefantes selvagens são protegidos na China, com uma população estimada em 300, em comparação com menos de 200 na década de 1980.

Estes animais vivem exclusivamente na região turística e tropical de Xishuangbanna.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG