Mais de 100 mortes podem estar ligadas à onda de calor no noroeste do Pacífico

Dezenas de óbitos no Canadá e Washington estão a ser investigadas com ligação ao clima quente

Mais de 60 mortes em Oregon foram associadas à histórica onda de calor no noroeste do Pacífico, disseram as autoridades de saúde, enquanto dezenas de óbitos no Canadá e Washington estão a ser investigadas com ligação ao clima quente.

Em Vancouver, British Columbia, a polícia disse que respondeu a mais de 65 mortes repentinas desde que a onda de calor começou, na sexta-feira.

Já as autoridades do Estado de Washington estão a investigar mais de meia dúzia de mortes, mas é provável que o número aumente.

A onda de calor foi causada pelo que os meteorologistas descreveram como uma cúpula de alta pressão sobre o noroeste e agravada pelas alterações climáticas provocadas pelo homem.

Num comunicado, o médico legista do maior condado de Oregon, o condado de Multnomah, afirmou que 45 mortes registadas devido resultaram de hipertermia, uma temperatura corporal anormalmente alta causada por uma falha do corpo em lidar com o calor.

A onda de calor que atingiu o noroeste do Pacífico tornou-se mais evidente na quarta-feira, com as autoridades no Canadá, Estado de Washington e Oregon a anunciar que estavam a investigar dezenas de mortes provavelmente causadas por temperaturas que ultrapassaram largamente os 100 graus Fahrenheit (mais de 37 graus Celsius).

Seattle, Portland e muitas cidades registaram recordes de calor, com as temperaturas em alguns locais a atingir acima dos 115 graus Fahrenheit (46 graus Celsius).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG