"Leopoldo II quis o Congo para transformar a Bélgica numa potência imperial"

Neste Terra de Lágrimas, o americano Robert Harms conta a colonização da África Equatorial pelos europeus, com destaque natural para o gigantesco país que hoje é a República Democrática do Congo, mas que já foi o Estado Livre do Congo, o Congo Belga e também o Zaire. É uma história que mistura aventureiros e política imperial e onde há muito, muito sofrimento.

Tippu Tip, Henry Morton Stanley e Pierre Savorgnan de Brazza. Três tão distintos, mas partilhando o mesmo destino como exploradores de África no século XIX. O que os tornou tão importantes na exploração das terras congolesas?

Seria difícil imaginar um trio de exploradores mais diferente. Stanley foi criado num orfanato no País de Gales, enquanto Brazza era oriundo da aristocracia italiana e Tippu Tip era filho de um rico comerciante de marfim na África Oriental. Os três também tinham motivos diferentes para explorar África. Stanley partiu para encontrar a nascente do Nilo e acabou criando uma colónia para Leopoldo II da Bélgica. Tippu Tip começou a sua carreira como comerciante de marfim, mas depois construiu um poderoso império no coração de África. Brazza sonhava em fundar uma colónia francesa em África e persuadiu o governo francês a apoiar os seus planos. Não é surpreendente que os três homens tivessem tipos muito diferentes de relacionamento entre si. Stanley e Tippu Tip pareciam admirar-se, embora às vezes lutassem e depois se separassem, enquanto Stanley e Brazza partilhavam um ódio mútuo desde o início. Desse padrão complexo de cooperação e rivalidade surgiram as divisões políticas da África Equatorial que perduram até hoje. Um dos objetivos do livro é explicar, passo a passo, como esse processo aconteceu.

A colonização da maior parte da África Equatorial por Leopoldo II como empresário privado explica a extrema brutalidade no Congo, ou era a realidade também nas colónias francesas ou britânicas?

A extrema brutalidade do colonialismo inicial emergiu em situações em que os governos coloniais se envolveram diretamente na produção de mercadorias. Os alemães no Tanganica tentaram forçar os africanos a produzir algodão, provocando a rebelião Maji Maji. No Congo francês, Brazza contentou-se em tributar os bens comerciais que os comerciantes africanos traziam para a costa atlântica, mas os sucessores instalaram um sistema de coleta forçada de borracha que era tão brutal quanto o sistema leopoldiano. Durou mais porque não houve pressão contínua sobre o governo francês a favor da reforma.

Quão rica era essa parte de África para atrair os europeus, mesmo não tendo o clima certo para absorver vasto número de colonos?

As grandes potências da Europa estavam dispostas a ceder o Congo ao rei da Bélgica porque era um território inóspito coberto por floresta tropical. Quando o Congo foi criado na Conferência de Berlim, em 1885, a demanda europeia por borracha ainda não era grande e os vastos recursos de borracha selvagem na floresta tropical do Congo não eram totalmente conhecidos. Na época, o principal produto de exportação do Congo era o marfim, que diminuiria com o tempo, à medida que os elefantes fossem mortos. Leopoldo II queria ganhar uma colónia para transformar a Bélgica numa potência imperial e aproveitou o facto de nenhuma das outras potências querer o Congo. A Grã-Bretanha rejeitou explicitamente a ideia de colonizar o Congo e a França envolveu-se apenas porque o governo francês foi enganado por Brazza. Só depois de Leopoldo assumir o controlo do Congo começou a procurar uma maneira de o tornar lucrativo.

Portugal foi o primeiro país europeu a contactar com a África Equatorial, logo no século XV. A relação inicial entre a Europa e África era muito diferente da ocupação colonial do século XIX?

Durante os séculos XVII e XVIII os portugueses em Angola lucraram com o tráfico de escravos para o Brasil, porque controlavam os principais portos marítimos onde os escravos embarcavam. A escravização dos africanos foi o resultado das guerras interafricanas no interior distante, especialmente durante a expansão do Império Lunda. Os cativos eram conduzidos ao litoral em caravanas organizadas por mercadores africanos e afro-portugueses. Em essência, os africanos organizavam a aquisição e transporte de escravos, enquanto os portugueses nas cidades portuárias obtinham lucros financiando as caravanas e tributando o tráfico. A coleta de borracha no Congo no final do século XIX era muito diferente, porque os europeus iam para a floresta tropical e supervisionavam pessoalmente a extração e transporte da borracha selvagem. Isso ocorreu em parte porque não queriam pagar preços suficientemente altos para induzir os africanos a coletar borracha e transportá-la para a costa, e em parte porque o extenso sistema de rios da bacia do Congo tornava fácil e barato transportar borracha em barcos a vapor.

Em sua opinião, a trágica história do Congo independente moderno, como Zaire ou RDC, é um legado direto da exploração europeia?

Quando o governo belga assumiu o controlo do Congo, em 1908, eliminou gradualmente os elementos mais brutais do sistema de coleta de borracha de Leopoldo. Ainda assim, manteve formas de trabalho forçado, nomeação arbitrária de chefes locais e outros atributos de um governo autoritário, enquanto extraíam grandes quantidades de ouro, diamantes e cobre. Quando a atual República Democrática do Congo estava prestes a tornar-se independente, em 1960, as grandes empresas de mineração do Congo foram dissolvidas e reincorporadas na Bélgica, para garantir que o governo congolês independente não pudesse confiscar os ativos. Não é surpreendente que o povo congolês tenha uma visão muito cínica do papel dos governos modernos. Num país que sempre foi fragmentado em linhas linguísticas, culturais e étnicas, havia pouca base para a unidade nacional. A desunião sobreposta pelo cinismo criou uma mistura explosiva.

Como imaginaria uma África Equatorial alternativa sem a presença da colonização europeia?

O terreno acidentado perto da costa atlântica impediu os europeus de penetrar na bacia do rio Congo durante quatro séculos, mas os avanços tecnológicos europeus no século XIX mudaram completamente a situação. Stanley reconheceu que a construção de uma ferrovia de 200 milhas da costa até ao lago Malebo e a colocação de barcos a vapor no rio tornaria toda a bacia do rio Congo acessível aos comerciantes europeus. Os sistemas políticos de pequena escala que caracterizaram as sociedades africanas equatoriais não eram militarmente capazes de bloquear as ambições europeias. Se o rei Leopoldo II não tivesse colonizado o Congo, outra potência europeia tê-lo-ia feito, especialmente depois de os extensos recursos de borracha da floresta tropical se tornarem conhecidos. Os resultados poderiam até ter sido muito diferentes, mas no final do século XIX o povo da bacia do rio Congo provavelmente estava condenado a ser colonizado por uma ou outra potência europeia.

leonidio.ferreira@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG