"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Kosovo começou a aplicar novas regras aos veículos com matrículas sérvias que entram no país, invocando reciprocidades. Medida motivou protestos de condutores sérvios e fez aumentar a tensão com Belgrado.

Pelo terceiro dia consecutivo, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a circulação de veículos com matrículas sérvias, obrigando à utilização de matrículas kosovares temporárias enquanto viajarem no país.

Os protestos começaram na segunda-feira, assim que a decisão do executivo do Kosovo foi anunciada, como retaliação a uma medida já praticada do outro lado da fronteira, pela Sérvia.

Algumas centenas de cidadãos de etnia sérvia acamparam em tendas e barricaram as estradas perto da fronteira, com filas de camiões parados. . "Não vamos sair daqui", disse à agência AFP um manifestante de 43 anos que se identificou apenas como Dejan. "Quando (o primeiro-ministro de Kosovo, Albin) Kurti autorizar as nossas matrículas sérvias poderemos conversar", acrescentou.

Este incidente faz aumentar receios de um escalar de tensões entre os dois vizinhos dos Balcãs.

O Governo de Belgrado, que não reconhece a sua antiga província do Kosovo como uma nação independente, há anos que obriga à retirada das matrículas de carros registados no Kosovo que entram em território sérvio. Os condutores têm de pagar cinco euros por uma matrícula temporária de 60 dias.

A Sérvia considera a fronteira com Kosovo como uma fronteira meramente "administrativa" e temporária.

Em resposta aos bloqueios dos camionistas da etnia sérvia, o primeiro-ministro Kosovar recorreu à rede social Twitter para assegurar que a nova medida "não é uma provocação, nem é discriminatória", mas apenas uma medida recíproca.


As tensões aumentaram na segunda-feira, quando a polícia especial de Kosovo, com veículos blindados, foi enviada para a fronteira para impor a nova medida aos carros com matrícula sérvia.

No entanto, ao contrário do que acontece com os cerca de 40.000 sérvios que vivem no tenso norte do Kosovo, outros elementos da população sérvia noutras zonas do Kosovo parecem ter acolhido o novo regulamento sem grande celeuma.

De acordo com o Ministério do Interior do Kosovo, cerca de 1.500 licenças temporárias foram emitidas nas 24 horas após a medida ter sido introduzida.

União Europeia pede contenção

A disputa "não interessa a nenhuma das partes", disse à AFP Snezana Slavkovic, de 60 anos, que frequentemente viaja entre a sua casa no sul de Kosovo e a Sérvia. "Que cheguem a acordo de uma vez e resolvam os problemas", acrescentou, antes de atravessar a fronteira, tendo adquirido as suas matrículas provisórias.

A linha dura dos sérvios a norte, no entanto, está decidida a rejeitar a medida.

Oliver Varhelyi, o comissário da União Europeia para o alargamento, apelou já a ambas as partes para que "tenham contenção e diminuam as tensões, voltem ao diálogo e garantam a liberdade de circulação sem demora".

"Ações unilaterais nunca são uma solução", escreveu Varhelyi no Twitter.

Também o primeiro-ministro kosovar, Kurti, disse a alguns media que o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, pediu a Pristina para "falar com Belgrado com vista a uma desaceleração da situação".

Um representante do Kosovo "concordou em reunir-se" com os seus homólogos sérvios em Bruxelas para discutir o assunto, mas Belgrado "rejeitou a proposta", acrescentou.

Presidente sérvio diz que "paciência não é infinita"

O presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, já disse no entanto que não haverá negociações antes de as forças armadas do Kosovo se retirarem do fronteira norte.

De resto, não é habitual as forças armadas do Kosovo deslocarem-se para a zona norte, devido a forte presença da etnia sérvia, mas foram destacadas na segunda-feira para supervisionar a implementação das novas medidas na fronteira.

"Reponham as coisas tal como estavam e então poderemos conversar", disse Vucic, em Belgrado, na terça-feira, descrevendo a decisão de Kosovo como uma "ação criminal".

Aleksander Vucic convocou mesmo uma reunião do seu gabinete de segurança nacional em resposta às medidas de Kosovo e disse que a situação é muito "séria e difícil".

Num discurso televisionado, Vucic referiu que os sérvios do Kosovo "sofreram um dos seus piores dias", apelidando a ação da polícia kosovar como "um ataque brutal".

"Eles acham que a nossa paciência é infinita", afirmou o presidente sérvio. "Saberemos como proteger o nosso país, não há dúvidas sobre isso."

O Kosovo declarou independência da Sérvia em 2008, uma década depois da guerra sangrenta entre guerrilheiros de etnia albanesa e forças sérvias que custou 13.000 vidas, a maioria de etnia albanesa.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG