Governo francês pondera confinamento "muito rigoroso" considerando ineficaz recolher as 18:00

Num cenário de confinamento mais rigoroso, as escolas poderão vir a fechar em França. Nos próximos dias, o primeiro-ministro vai reunir-se com os parceiros sociais assim como com os grupos políticos para encontrar medidas consensuais na luta contra a covid-19.

O Governo francês pondera adotar um confinamento mais rigoroso, questionando a eficácia do recolher obrigatório às 18:00 atualmente em vigor, com o porta-voz do executivo a avançar já que "não é suficiente" para travar a pandemia.

"O recolher obrigatório às 18:00 tem uma eficácia relativa, mas que não é suficiente nesta altura. [...] O Governo está a estudar diversos cenários que vão desde a manutenção, pouco provável do quadro atual, até um confinamento muito rigoroso", disse hoje Gabriel Attal, porta-voz do Governo, em conferência de imprensa.

Esta comunicação aconteceu após o Conselho de Defesa, um grupo restrito que reúne com o Presidente, Emmanuel Macron, e o Governo de forma a tomar medidas para combater a propagação da pandemia, que se realizou esta quarta-feira no Palácio do Eliseu.

De forma a tomar decisões nos próximos dias, o primeiro-ministro francês, Jean Castex, vai reunir-se com os parceiros sociais assim como com os grupos políticos para encontrar medidas consensuais na luta contra a covid-19.

Para quinta-feira está agendada uma conferência de imprensa do ministro da Saúde, Olivier Véran, que dará conta da situação pandémica de forma mais detalhada.

França regista mais de 74 mil mortes devido à covid-19

Num cenário de confinamento mais rigoroso, as escolas poderão vir a fechar, algo que está a inquietar os pais, os professores e os pediatras, com os últimos a consideraram que voltar a ficar sem aulas pode ter "um efeito na saúde mental e social" das crianças, segundo a Sociedade Francesa de Pedriatria.

Até agora já morreram em França 74 106 pessoas e já foram confirmados 3 079 943 casos positivos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2 159 155 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG