França defende que imposto sobre empresas deve ser "o mais alto possível"

Ministro francês das Finanças diz que os 15% de IRC são uma conquista, mas vai tentar aumentar este valor.

O ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, defendeu este domingo que o imposto mínimo a aplicar às empresas, acordado pelo G7 no sábado, deve ser "o mais alto possível"

.Em entrevista à emissora Europe 1, Le Maire afirmou que os 15% acordados são uma conquista que implicou "dias e noites" de negociação, garantindo que agora vai tentar aumentar este imposto.

"Os 15% são já um compromisso. Nas próximas semanas, vamos continuar a lutar, em especial com a Alemanha, para que o imposto seja o mais elevado possível", sublinhou.

No entanto, o governante admitiu que "será muito difícil" ir além do acordado no sábado.

O Governo francês é a favor da aplicação de uma taxa de 21% sobre o rendimento das empresas, em linha com o que defende o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Os ministros das Finanças do G7 alcançaram este sábado, em Londres, um acordo "histórico" para a aplicação de um imposto mínimo de 15% sobre as empresas.

"Estou encantado por anunciar que os ministros das Finanças do G7 alcançaram, após anos de discussão, um acordo histórico sobre o sistema global de impostos", anunciou, na altura, o ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak. Em causa, está uma proposta que prevê a aplicação de um IRC de 15%, assegurando que "as empresas certas paguem os impostos certos, nos locais certos".

Agradecendo o trabalho dos seus homólogos, Sunak reiterou que este acordo "de significância histórica" permite adequar o sistema global de impostos ao século XXI.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG