Extremismo doméstico é principal ameaça nos EUA

O secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, garante que as autoridades estão muito focadas nos grupos extremistas americanos.

Alejandro Mayorkas, secretário de Segurança Interna norte-americano, considerou este domingo que o extremismo doméstico é atualmente a maior ameaça terrorista nos Estados Unidos.

"Estamos muito focados no extremismo doméstico violento. É nossa maior ameaça, uma ameaça relacionada com o terrorismo. Estamos muito focados nisso", afirmou Mayorkas em entrevista à televisão NBC News.

O responsável pela Segurança Interna garantiu que os funcionários do departamento que dirige continuam a monitorizar de perto esse tipo de ameaças, enquanto enfrentam a crescente chegada de imigrantes sem documentos desde a fronteira com o México. "Sobre o extremismo interno, já fizemos muito, mas temos planos para fazer mais", disse.

​​​​​Mayorkas mencionou o tiroteio de terça-feira passada contra três estabelecimentos de massagens asiáticas em Atlanta (Geórgia), onde oito pessoas morreram, embora tenha evitado associar o crime a atos terroristas.

"Os nossos corações e nossas orações vão para as vítimas dos trágicos homicídios na região de Atlanta", comentou.

As primeiras notícias sobre o tiroteio rapidamente o ligaram à onda de crimes de ódio nos EUA contra pessoas de ascendência asiática, mas, mais tarde, o suspeito admitiu às autoridades que atirou contra esses estabelecimentos porque os "culpou" de manter seu vício ativo, dizendo que queria eliminar a tentação.

Vários protestos e vigílias realizaram-se sábado em diversas cidades norte-americanas, como Atlanta, Nova Iorque, São Francisco ou Pittsburgh, para condenar o racismo contra pessoas de origem asiática, após os tiroteios em que seis dos oito mortos foram mulheres deste grupo racial.

O suspeito, de 21 anos, identificado como Robert Aaron Long e que assumiu a responsabilidade pelos três tiroteios, foi detido a cerca de 250 quilómetros a sul de Atlanta quando se dirigia para a Florida, possivelmente para cometer outros crimes semelhantes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG