Estudo americano conclui que vacinas da Pfizer e Moderna são 90% eficazes no "mundo real"

Com a vacinação completa, as vacinas foram 90% eficazes na prevenção de infeções, incluindo as assintomáticas.

Um estudo do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) concluiu que as vacinas Pfizer e Moderna são 90% eficazes após duas doses em condições reais, ou seja, não em ensaios clínicos mas já em plenas campanhas de vacinação.

Com a vacinação completa, as vacinas foram 90% eficazes na prevenção de infeções, incluindo as assintomáticas.

Nos primeiros 14 dias após a primeira dose, as vacinas eram 80% protetoras, de acordo com o Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade publicado esta segunda-feira, num dos primeiros de muitos estudos que estão planeados sobre a eficácia das vacinas.

O estudo analisou como as vacinas protegeram cerca de 4000 profissionais de saúde e socorristas, que foram observados e testados regularmente entre dezembro e março, independentemente de terem ou não sintomas.

A maioria desses voluntários, mais de 62%, recebeu ambas as doses da vacina da Pfizer ou da Moderna, enquanto 12% receberam apenas uma dose.

Entre as 2961 pessoas vacinadas com uma ou mais doses e os 989 participantes não vacinados, um total de 205 testaram positivo à covid-19, entre os quais 161 em voluntários não vacinados, oito que tinham tomado apenas a primeira dose e três que tinham tomado a segunda dose há mais de 14 dias. As outras 33 pessoas não tinham a sua situação imunológica clarificada.

87% dos casos identificados de covid-19 apresentaram sintomas, mas apenas cerca de 23% precisaram de ajuda médica. Registaram-se dois internamentos, mas ninguém morreu.

Os resultados deste estudo são semelhantes aos dos ensaios clínicos das vacinas, incluindo o nível de proteção oferecido por uma única dose após duas semanas após a toma.

"Reduzir o risco de infeção transmissível, que pode ocorrer entre pessoas com infeção assintomática ou entre pessoas vários dias antes do início dos sintomas é especialmente importante entre profissionais de saúde, socorristas e outros profissionais essenciais e de linha de frente, dado o seu potencial para transmitir o vírus através de contacto próximo frequente com os pacientes e o público", concluiu o relatório.

A diretora do CDC, Rochelle Walensky, considerou os resultados do estudo "tremendamente encorajadores". "Essas descobertas também sublinham a importância de se tomar as duas doses recomendadas da vacina para obter o maior nível de proteção contra a covid-19, especialmente à medida que as nossas preocupações com as variantes aumentam", frisou.

Nos Estados Unidos, quase 29% da população (mais de 95 milhões de pessoas) receberam pelo menos uma dose da vacina e quase 16% (cerca de 52,6 milhões) já têm a vacinação completa. Entre os maiores de 18 anos, mais de 20% estão totalmente vacinados.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG