Estudante publica detalhes do seu plano antes de matar seis em universidade russa

Timur Bekmansurov, de 18 anos, disse não ter motivos políticos ou religiosos mas o sonho de matar todos à sua volta. Foi ferido e está nos cuidados intensivos.

Pelo menos seis pessoas morreram e 28 ficaram feridas depois de um estudante de 18 anos ter entrado aos tiros numa universidade russa. O atirador, que comprou a arma legalmente e publicou nas redes sociais os detalhes do seu plano dizendo não ter motivos políticos ou religiosos, foi ferido e estava ontem nos cuidados intensivos. É o segundo tiroteio num estabelecimento de ensino russo em menos de seis meses.

"É uma grande perda não apenas para as famílias que perderam as suas crianças, mas para todo o país", disse o presidente Vladimir Putin. "Nenhuma palavra pode silenciar a dor do luto, destas perdas, especialmente quando se trata de jovens que estavam apenas a começar a sua vida", acrescentou. Dos 28 feridos, 19 tinham ferimentos de balas. Vídeos do momento do ataque mostram alunos a saltar das janelas do edifício para tentar fugir. O balanço inicial apontava para oito mortos, mas este foi revisto.

O atirador, que entrou na universidade pelas 07h00 locais, foi identificado pelos media russos como sendo Timur Bekmansurov, que há dez dias tinha começado a estudar Ciências Forenses na universidade estadual de Perm, a cerca de 1300 quilómetros a leste de Moscovo. O site de notícias 59.ru publicou depois as alegadas mensagens deixadas pelo atirador na rede social VKontakte, onde este descrevia os seus planos e motivos do ataque.

"O que aconteceu não foi um ataque terrorista (pelo menos não de um ponto de vista legal). Eu não era um membro de uma organização extremista. Eu não era religioso e era apolítico. Ninguém sabia o que eu ia fazer, eu empreendi estas ações sozinho", segundo a mensagem. O tiroteio era um sonho que tinha há muito tempo devido ao seu ódio por todas as pessoas à sua volta.

O atirador escreveu ainda, segundo o site Russia Today, que terá ainda estudado usar um carro, uma bomba ou uma faca em vez da arma. Depois explicou como a comprou e o treino a que se sujeitou, assim como o processo que passou para obter uma licença. De acordo com o Comité de Investigação da Rússia, o atirador estava munido de uma "espingarda de caça de cano liso" que adquiriu legalmente no mês de maio, antes do endurecimento da legislação da posse de armas na sequência de outro tiroteio. A 11 de maio, um jovem de 19 anos abriu fogo na sua antiga escola em Kazan, na república do Tartaristão, matando nove pessoas.

O atirador fala no passado, como se não planeasse sobreviver ao ataque, mas ontem estava com vida nos cuidados intensivos. Bekmansurov foi ferido durante a detenção, depois de "oferecer resistência", segundo o Comité de Investigação da Rússia. Uma porta-voz do Ministério dos Assuntos Internos disse que foi um tenente da polícia, o inspetor de trânsito Konstantin Kalinin, que travou o atirador. Após neutralizá-lo, começou a prestar-lhe primeiros socorros.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG