Dinamarca e Alemanha acreditam ter impedido ataque terrorista em operação conjunta

Operação conjunta desencadeou mais de uma dezena de detenções nos dois países.

Dinamarca e Alemanha afirmaram esta sexta-feira que impediram um possível atentado terrorista islamita no âmbito de uma operação conjunta que desencadeou mais de uma dezena de detenções nos dois países, esclarecendo, porém, que o potencial ataque não estaria iminente.

Numa conferência de imprensa conjunta realizada na sede dos serviços de informações dinamarqueses (PET), a equipa de investigação dinamarquesa afirmou acreditar que o potencial ataque teria como alvo a Dinamarca ou a Alemanha.

Componentes e produtos para fabricar explosivos, bem como armas, foram encontrados durante buscas ocorridas no âmbito da operação policial conjunta, segundo explicou o chefe das operações dos serviços de informações da polícia dinamarquesa, Flemming Dreyer, que esclareceu ainda que os elementos encontrados, nomeadamente os químicos, não tinham sido ainda manuseados, o que sugere que o ataque não estaria iminente.

"Encontrámos os ingredientes para fazer uma bomba. Acreditamos que não houve uma ameaça imediata, nada tinha sido montado ou misturado. Mas não somos ingénuos e não estamos a excluir nada", afirmou o investigador dinamarquês.

Na quinta-feira, o Ministério Público da região alemã da Saxónia-Anhalt divulgou que três irmãos sírios, suspeitos de preparar um atentado terrorista com explosivos, tinham sido detidos nos últimos dias na Alemanha e na Dinamarca.

Segundo as autoridades alemãs, dois deles foram detidos no passado fim de semana na Dinamarca e o terceiro em Hesse (região centro da Alemanha).

Os três homens, com idades compreendidas entre os 33 anos e os 40 anos, são suspeitos de preparar "um ato de grave violência que coloca o Estado em perigo", referiram ainda as autoridades da Saxónia-Anhalt.

"Os nossos serviços de segurança evitaram novamente um ataque terrorista islâmico", disse esta sexta-feira o ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, declarando ainda que os três irmãos detidos "estavam a preparar presumivelmente um ataque na Europa".

Segundo o Ministério Público alemão, as forças policiais conseguiram localizar os três irmãos sírios através de encomendas online, realizadas em janeiro, de produtos químicos que podem ser utilizados na composição de um explosivo.

A polícia também realizou buscas domiciliárias, incluindo numa casa na cidade alemã de Dessau, onde foram encontrados "10 quilos de pólvora negra".

Por sua vez, os serviços de informações dinamarqueses confirmaram a detenção de 13 pessoas, oito homens e cinco mulheres, durante uma operação conduzida no último fim de semana num grande subúrbio da capital dinamarquesa, Copenhaga.

"A operação teve lugar devido a suspeitas de preparação de um ataque terrorista motivado pelo islamismo militante", confirmaram esta sexta-feira os serviços de informações dinamarqueses.

Uma bandeira do grupo autoproclamado Estado Islâmico (EI) foi encontrada durante as buscas no território dinamarquês, de acordo com as autoridades locais.

Esta informação já tinha sido avançada na quinta-feira pelo título alemão Der Spiegel.

Na Dinamarca, sete pessoas foram colocadas em prisão preventiva por suspeita "de planeamento de um ou de mais ataques terroristas ou de participação numa tentativa de ato terrorista".

As restantes seis pessoas foram detidas por motivos ainda não especificados.

Segundo a imprensa local, o grupo de detidos é composto por homens e por mulheres.

As autoridades da Alemanha continuam em estado de alerta em relação à ameaça islamita no país, nomeadamente desde um ataque ocorrido em Berlim em dezembro de 2016, que fez 12 mortos, que foi reivindicado pelo grupo extremista EI.

Foi o ataque jihadista mais mortífero cometido em solo alemão.

Desde 2009, as autoridades alemãs já impediram 17 tentativas de atentados terroristas, a maioria desde o ataque de 2016, de acordo com o Ministério do Interior alemão.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG