Cuba anuncia inauguração de hotel LGBTQIA+ em Havana

O grupo Axel Hotels "pretende posicionar-se como o primeiro grupo empresarial de referência mundial dirigido ao público LGBTQIA+, com uma variedade de serviços e produtos de qualidade".

O primeiro hotel estatal LGBTQIA+ de Havana vai abrir as suas portas "em breve", em associação com a rede espanhola Axel, anunciou esta segunda-feira (28 de junho), o promotor, o Grupo de Turismo Gaviota, no Dia Internacional do Orgulho LGBT.

"O Hotel Telégrafo Axel Havana, que está na fase final de um processo de renovação e melhorias (...), reabrirá suas portas em breve em aliança entre o Grupo de Turismo Gaviota e a rede espanhola Axel Hotels", disse o grupo em seu site na internet.

O hotel está localizado em frente ao Parque Central, muito perto do Capitólio e do Grande Teatro de Havana.

A unidade hoteleira terá 63 quartos e muitos serviços, alguns novos, concebidos "entre as melhorias mais substanciais adicionadas ao local".

Gaviota é um poderoso grupo turístico das Forças Armadas e do Axel Corp. "É um grupo empresarial que dirige sua atividade tanto a empresas com interesses na comunidade LGBTQIA+, assim como para a própria comunidade", segundo seu site.

Axel Hotels "pretende posicionar-se como o primeiro grupo empresarial de referência mundial dirigido ao público LGBTQIA+, com uma variedade de serviços e produtos de qualidade", acrescenta em sua casa central em Barcelona.

Cuba celebra o Dia do Orgulho LGBT a 17 de maio, no âmbito de uma jornada anual que se aos direitos da comunidade, liderada pelo Centro Nacional de Educação Sexual, que é presidido pela deputada Mariela Castro, filha e sobrinha dos ex-presidentes Raúl e Fidel Castro, respetivamente.

Após décadas de discriminação e marginalização, a comunidade LGBTQIA+ começou a ganhar espaço e reconhecimento em Cuba, uma sociedade historicamente patriarcal e homofóbica.

No entanto, a proposta de casamento igualitário foi retirada do projeto da nova Constituição em 2019, após uma forte rejeição das igrejas cristãs.

Agora, uma comissão parlamentar analisa como incluí-la no novo Código da Família, que deve ser aprovado por referendo popular e pelo Parlamento ainda este ano.

Há uma semana, a Conferência Episcopal Católica pediu um debate social "amplo e participativo" sobre a "abordagem de género" aprovada pelo sistema educacional de Cuba.

Sendo assim, os bispos rejeitaram o "Programa de Educação Integral em Sexualidade com abordagem de género e dos direitos sexuais e reprodutivos no Sistema Nacional de Educação", recentemente aprovado pelas autoridades.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG