China intensifica campanha contra celebridades e grupos de fãs

Entre as novas regras, as celebridades chinesas ficam proibidas de ostentar artigos de luxo e outro tipo de riquezas nas redes sociais porque segundo os reguladores essas práticas promovem comportamentos ilegais e "antiéticos" que vão contra os valores sociais do país.

Os reguladores chineses intensificaram esta semana a campanha contra as celebridades e os seus grupos de fãs, alegando que estes criam "caos" e promovem "prazeres extravagantes".

A Administração do Ciberespaço da China divulgou na terça-feira um conjunto de regras para regular a atividade das celebridades, a publicidade e grupos de fãs, como parte do esforço do Presidente Xi Jinping para reformar os valores sociais no país.

O regulador criticou a "supremacia dos cliques [na Internet]" e a "estética anormal", pela deterioração dos "valores dominantes" na sociedade chinesa.

As regras podem banir páginas de fãs com dezenas de milhões de seguidores que proliferaram 'online' e entraram em conflito com a campanha de Pequim para remodelar a cultura entre os mais jovens.

Os grupos de fãs devem agora ser administrados por agentes profissionais de celebridades.

O número de vezes que as celebridades e os seus trabalhos ou produtos podem aparecer nas páginas da Internet também será limitado. As novas regras são projetadas para eliminar os grupos com milhões de seguidores devotos de celebridades asiáticas.

Especialistas acreditam que as autoridades chinesas estão preocupadas com a capacidade de organização e ação social destes grupos. As redes sociais estão também impedidas de promover celebridades apanhadas em comportamentos ilegais e "antiéticos".

A campanha de Pequim para orquestrar um maior controlo sobre as indústrias culturais do país aumentou desde que a campanha de "prosperidade comum" de Xi Jinping foi lançada em agosto.

A campanha já teve como alvo várias estrelas proeminentes do país e forçou as empresas de entretenimento sul-coreanas a saírem da China, que era antes o seu maior mercado de crescimento.

Aplicar as medidas será difícil, no entanto, segundo analistas. As empresas locais de entretenimento têm experiência em navegar entre os regulamentos e a censura.

O regulador orientou as autoridades a "realizar monitoramentos em tempo real" nas contas das celebridades.

As regras da Administração do Ciberespaço da China combinam com os esforços dos reguladores de cinema do país, para assumirem maior controlo sobre o conteúdo visto nos cinemas.

Este mês, a Administração de Filmes da China emitiu um novo conjunto de diretrizes para melhorar a qualidade dos filmes produzidos localmente, aumentar a sua audiência e focar o conteúdo em tópicos como a história da China, o socialismo e o período de reforma e abertura do país.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG