Busca no apartamento de Giuliani: Trump e Biden trocam acusações de politização da justiça

Troca de acusações depois do apartamento do ex-advogado de Trump ter sido alvo de buscas.

O presidente americano, Joe Biden, e o seu antecessor, Donald Trump, trocaram acusações na quinta-feira sobre a politização do Departamento de Justiça, depois que o FBI fez uma operação de busca no apartamento e escritório do ex-advogado pessoal do ex-presidente Rudy Giuliani em Nova Iorque.

Giuliani declarou ao canal Fox News que tudo o que foi confiscado vai provar que ele não violou as leis federais quando ajudou Trump a procurar informações comprometedoras contra Biden sobre a Ucrânia em 2019, durante a campanha eleitoral

"A evidência prova que o presidente e eu, e todos nós, somos inocentes", disse Giuliani.

O advogado também acusou o Departamento de Justiça de ter emitido uma "ordem ilegal" e de "espionagem" contra ele para ter acesso a informações privilegiadas entre advogado e cliente, "violando flagrantemente meus direitos constitucionais". E acrescentou: "São táticas conhecidas apenas em uma ditadura".

A polícia federal realizou um mandado de busca na quarta-feira no apartamento do ex-mayor de Nova York e em um escritório, e confiscou vários dispositivos eletrónicos.

Os promotores federais investigam há meses as atividades de lobby de Rudy Giuliani na Ucrânia, especificamente a possibilidade de ter estado a favor de funcionários e empresários ucranianos no governo de Trump em 2019, em troca de pagamentos.

Giuliani, um ex-procurador geral de 76 anos, tentou durante meses encontrar informações na Ucrânia que comprometessem o filho do presidente Joe Biden, Hunter Biden, para prejudicar a campanha eleitoral de seu pai.

Trump foi submetido a um processo de impeachment em dezembro de 2019 por procurar ajuda política na Ucrânia, mas escapou com sucesso.

Entrevistado pela Fox Business, o ex-presidente dos EUA afirmou que a operação é "muito, muito injusta" e denunciou "um padrão duplo". "Rudy Giuliani é um grande patriota. Simplesmente ama o seu país, e invadiram seu apartamento", disse Trump.

Questionado sobre a operação pelo canal NBC, o presidente Biden disse que não estava a par do caso nem da operação.

O governo Trump "politizou tanto o Departamento de Justiça, tantos deles renunciaram, tantos se foram", disse Biden.

"Não é o papel do presidente dizer quem será processado, quando será processado, quem não deve ser processado (...) O Departamento de Justiça é o advogado do povo, não o advogado do presidente", completou.

Giuliani não foi acusado formalmente pela Procuradoria, que também não se pronunciou oficialmente sobre a busca.

Dois homens que trabalharam para Giuliani na Ucrânia, Lev Parnas e Igor Fruman, foram acusados em Nova York no final de 2019 de violar as leis de financiamento de campanhas. O julgamento deles deve começar em outubro.

O filho de Giuliani, Andrew Giuliani, disse na quarta-feira que a operação foi motivada por razões políticas.

O FBI e o Departamento da Justiça não quiseram comentar a busca.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG