Bruxelas prepara-se para levar AstraZeneca a tribunal

O objetivo da ação judicial, caso se concretize, é o de obrigar a farmacêutica a disponibilizar as doses da vacina contra a covid-19 que estão contratualizadas com a União Europeia. O secretário de Estado Adjunto e da Saúde diz que "Portugal acompanhará decisões" de Bruxelas.

A Comissão Europeia está a preparar-se para levar a farmacêutica AstraZeneca a tribunal devido a falhas nas entregas de doses da vacina contra a covid-19 à União Europeia (UE), avançaram ao jornal Politico cinco diplomatas de Bruxelas.

A ação judicial já foi debatida numa reunião com os 27 embaixadores, realizada na quarta-feira, durante a qual a maioria dos Estados-membros da UE manifestou o apoio num eventual processo contra a empresa. Na base, estão as queixas de que a AstraZeneca falhou de forma grave na entrega de doses da vacina à UE, escreve o jornal.

Ao Politico, um diplomata de Bruxelas afirmou que o objetivo da ação legal, caso se concretize, é o de obrigar a AstraZeneca a disponibilizar as doses que estão contratualizadas com a UE.

Até ao final de junho, a farmacêutica deveria entregar 300 milhões de doses da vacina à União Europeia, mas só deverá entregar 70 milhões de doses.

"Portugal acompanhará decisões" de Bruxelas, diz secretário de Estado Adjunto

Os países da União Europeia têm agora de decidir se apoiam uma eventual ação judicial contra a AstraZeneca.

Entretanto, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, já fez saber hoje que "Portugal acompanhará as decisões" de Bruxelas.

"É um processo da comunidade e nós acompanhamos sempre os processos da comunidade, tal como fizemos noutras situações, e, por isso, remeto para aquilo que forem as decisões da UE, sendo que a UE irá decidir da melhor forma e Portugal acompanhará essas decisões", afirmou Lacerda Sales, à margem de uma visita ao Centro Hospitalar de Leiria.

A vacina desta farmacêutica tem sido alvo de polémica, a começar pelas falhas nas entregas das doses à UE e pelos relatos de casos muito raros de formação de coágulos sanguíneos em pessoas que foram imunizadas com o fármaco.

A 8 de abril, as autoridades de saúde portuguesas recomendaram a administração da vacina da AstraZeneca em pessoas acima dos 60 anos de idade, depois de a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) ter indicado uma "possível ligação" entre este fármaco e "casos muito raros" de formação de coágulos sanguíneos.

Dos cerca de nove milhões de vacinas que Portugal prevê receber neste segundo trimestre, 1,6 milhões de doses são da AstraZeneca.

Atualizado às 13:37

Mais Notícias

Outras Notícias GMG