Avião que caiu na Indonésia tinha 62 pessoas a bordo

Avião da Sriwijaya Air terá perdido quase dez mil pés de altitude em menos um minuto e caiu no mar. Autoridades já terão encontrado destroços.

Um avião da Sriwijaya Air desapareceu dos radares pouco tempo depois da descolagem do aeroporto de Jacarta, segundo os media indonésios e o site Flight Radar, que refere que o Boeing 737-500 terá perdido quase dez mil pés de altitude em menos de um minuto.

De acordo com a companhia aérea, o aparelho seguia com 56 passageiros a bordo e seis membros da tripulação. Contudo, o ministro dos Transportes, Budi Karya Sumadi, disse aos jornalistas que eram 50 passageiros (incluindo sete crianças e três bebés) e 12 membros da tripulação.

O destino era Pontianak, na ilha de Bornéu, num voo de cerca de 90 minutos.

O ministério dos Transportes confirmou que o último contacto com o voo 182 da Sriwijaya Air foi feito às 14.40 locais (7.40 em Lisboa), quatro minutos após a descolagem. E que já estão a decorrer as buscas.

"Enviámos as nossas equipas, assim como embarcações, para a área onde há suspeita de queda do avião após perder o contacto" com a torre de controlo, disse Bambang Suryo Aji, chefe da Agência Nacional de Busca e Resgate, citado pela AFP.

O aparelho, que tem 26 anos, desapareceu sobre o mar de Java. De acordo com o The New York Times, a agência indonésia de busca e salvamento terá já encontrado destroços nas águas a noroeste de Jacarta que acredita serem do aparelho, mas o cair da noite terá complicado os trabalhos.

A companhia aérea, que atua desde 2003, disse que está a investigar.

A estação de televisão Kompas TV citou pescadores locais que dizem ter encontrado destroços perto das ilhas ao largo de Jacarta e nas redes sociais há imagens desse momento, mas não é possível confirmar se estes pertencem ao avião desaparecido.

O Boeing 737-500 não deve ser confundido com o Boeing 737-Max, que deixou de operar depois de dois acidentes trágicos em 2018 (um Lion Air despenhou-se 13 minutos após descolar também de Jacarta) e 2019 (na Etiópia), que causaram a morte de 346 pessoas. O Boeing 737-Max retomou recentemente os voos comerciais, no Brasil.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG