Autoridades russas fazem buscas em apartamentos de jornalistas

As buscas foram realizadas depois de um órgão de informação ter anunciado que ia divulgar uma investigação sobre Vladimir Kolokoltsev, ministro do Interior russo.

As autoridades russas invadiram esta terça-feira apartamentos de vários jornalistas de investigação e seus familiares, uma ação que ocorre num momento de aumento de pressão sobre os meios de comunicação independentes na Rússia.

A polícia fez buscas nos apartamentos de Roman Badanin, editor-chefe do portal investigativo Proekt, e de Maria Zholobova, uma jornalista desse órgão.

Além disso, os polícias entraram na casa dos pais do adjunto de Badanin, Mikhail Rubin, que também foi detido perto do prédio residencial de Zholobova e levado para o apartamento dos pais.

Em relato na aplicação Telegram, a Proekt disse que os raides ocorreram depois de o meio de comunicação ter prometido divulgar uma investigação sobre o ministro do Interior russo, Vladimir Kolokoltsev, e a sua alegada riqueza. O portal publicou a história logo após o início das buscas.

A Proekt disse mais tarde que pelo menos dois em cada três raides estavam ligados a um caso de difamação devido a um documentário de 2017, no qual trabalharam Badanin e Zholobova, sobre um empresário de São Petersburgo alegadamente ligado ao crime organizado.

Badanin era um suspeito no caso, segundo disse a sua advogada, Anna Bogatyryova, ao canal de televisão independente Dozhd, e Zholobova tinha alegadamente o estatuto de testemunha.

No entanto, não ficou imediatamente claro porque o adjunto de Badamir, Mikhail Rubin, foi também alvo da polícia.

Recentemente, as autoridades russas aumentaram a pressão sobre os órgãos de comunicação independentes.

Dois meios populares, Meduza e VTimes, foram designados "agentes estrangeiros" -- um rótulo aplicado a grupos, veículos de notícias ou indivíduos que recebem financiamento estrangeiro.

A designação implica escrutínio governamental e tem uma forte conotação pejorativa que pode desacreditar aqueles que a recebem.

O VTimes fechou este mês após ser adicionado à lista de "agentes estrangeiros", enquanto o Meduza lançou uma campanha de crowdfunding.

A Rússia usou a lei para aplicar pesadas multas à Radio Free Europe/Radio Liberty, fundada pelos Estados Unidos, por não identificar o seu material como produzido por "agentes estrangeiros".

A emissora já pediu ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos para interceder no caso.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG