Cheias na Austrália. Ruas debaixo de água e uma casa a flutuar num rio

A precipitação bateu recordes na Austrália e centenas de pessoas já tiveram de se refugiar em centros de acolhimento. Na costa a norte de Sydney, a televisão mostrou ruas de cidades e aldeias debaixo de água, e uma casa a flutuar num rio com águas da chuva

Chuvas torrenciais e inundações generalizadas provocaram este domingo a retirada de populações ao longo da costa leste da Austrália, com o principal reservatório de Sydney a transbordar pela primeira vez em 30 anos

As autoridades apelaram para a evacuação de áreas baixas da costa oriental depois das chuvas torrenciais que poderiam causar inundações repentinas e "pôr em perigo a vida" dos residentes, após um verão australiano já invulgarmente húmido.

"A precipitação a que temos assistido é muito intensa e bateu valores recordes", disse Agata Imielska do Gabinete de Meteorologia da Austrália.

Centenas de pessoas reuniram-se nos centros de acolhimento a norte de Sydney, no Estado de Nova Gales do Sul, e as autoridades acreditam que muitas mais continuarão a procurar abrigo à medida que a chuva se deslocar para sul ao longo da costa.

De acordo com o Gabinete de Meteorologia, as inundações ultrapassaram o nível recorde de 2013 em Port Macquarie, a 400 quilómetros (km) a norte de Sydney.

Nessa área, mais de 400 milímetros de chuva caíram desde sexta-feira de manhã, de acordo com o boletim meteorológico. As autoridades aconselharam os residentes a permanecerem dentro de casa devido ao risco de cheias repentinas.

As inundações e os avisos meteorológicos que ameaçam a vida dos residentes cobrem uma área desde Port Macquarie até 500 km a sul de Sydney.

A barragem de Warragamba, que fornece a maior parte da água potável de Sydney, começou a transbordar no sábado à tarde.

Os peritos dizem que é a primeira vez que transborda de forma significativa desde 1990.

Inundações a alta velocidade

"Estamos em território desconhecido", alertou Ian Wright, especialista em hidrologia da Universidade Ocidental de Sydney, explicando que a rápida urbanização da área em redor da barragem desde 1990 significa que o excesso de água já não pode ser reabsorvido por terrenos baldios.

"O desenvolvimento urbano criou novas superfícies duras e impermeáveis e infraestruturas de drenagem. Durante chuvas fortes, isto pode gerar rapidamente inundações de alta velocidade", disse Wright no Twitter.

A inundação mais grave ocorreu hoje na costa a norte de Sydney. A televisão mostrou ruas de cidades e aldeias debaixo de água, e uma casa a flutuar num rio com águas da chuva.

O primeiro-ministro Scott Morrison lamentou as "cenas totalmente desoladoras" e ofereceu a ajuda do Exército para socorrer.

A emissora pública ABC disse que o mau tempo também atrasaria a já lenta campanha de vacinação covid-19 em Sydney e arredores.

Os serviços de emergência disseram ter recebido mais de 3.000 pedidos de ajuda e deram mais de 300 respostas na sexta-feira à noite e hoje para proteger as pessoas das inundações.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG