Assassinado candidato às eleições municipais de domingo no México

Perto de 95 milhões de eleitores mexicanos são chamados às urnas no domingo para eleger 500 deputados federais e 20 mil responsáveis locais, incluindo 15 dos 32 governadores estaduais do país.

Um candidato às eleições municipais no estado mexicano de Vera Cruz foi assassinado a tiro durante a madrugada, a pouco menos de 48 horas da realização do escrutínio, divulgou o seu partido..

"Condenamos de forma veemente o cobarde assassínio de René Tovar, candidato a presidente da câmara de Cazones de Herrera", afirmou Clemente Castañeda, coordenador nacional do Movimento de Cidadãos (esquerda), numa mensagem publicada na rede social Twitter, pedindo ainda ao Governo mexicano para que "garanta a vida e a segurança dos mexicanos" durante as eleições agendadas para domingo.

Perto de 95 milhões de eleitores mexicanos são chamados às urnas no domingo para eleger 500 deputados federais e 20 mil responsáveis locais, incluindo 15 dos 32 governadores estaduais do país.

Durante a campanha, e com a aproximação da data do ato eleitoral, os ataques contra candidatos multiplicaram-se.

De acordo com a consultora Etellekt, 35 dos 89 políticos assassinados no México desde setembro de 2020 eram candidatos.

Em declarações à agência noticiosa AFP, uma fonte do executivo regional de Vera Cruz (na zona leste do México) precisou que o candidato René Tovar estava em casa quando foi atacado "por elementos desconhecidos" que dispararam várias vezes contra ele.

René Tovar acabaria por não resistir aos ferimentos e morreu quando estava a ser transportado para o hospital, segundo adiantou a mesma fonte.

O governo estadual de Vera Cruz anunciou, na sexta-feira, o destacamento de cerca de 5200 elementos das forças de segurança para o dia do escrutínio.

Estas eleições estão a ser encaradas como um teste para o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, que está a meio do atual mandato presidencial.

Eleito em 2018 para um mandato de seis anos, López Obrador e o seu partido, Movimento Regeneração Nacional (Morena, esquerda), garantiu então dois terços dos 500 lugares que compõem a Câmara de Deputados e espera agora manter esta maioria absoluta.

Desde que as autoridades mexicanas lançaram uma controversa ofensiva militar contra o narcotráfico no final de 2006, o México já teve mais de 300 mil assassínios, segundo números oficiais.

A maioria dos homicídios é atribuída a grupos de crime organizado.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG