Alemães estarão "vacinados, curados ou mortos" até ao final do inverno

Ministro da Saúde apela aos alemães que se vacinem com urgência perante a situação "muito difícil" que se vive nos hospitais.

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, alertou esta segunda-feira que até ao final deste inverno os alemães estarão "vacinados, curados ou mortos", tendo em conta o atual aumento de infeções provocadas pelo novo coronavírus no país.

"Provavelmente, até ao final do inverno, como às vezes se diz cinicamente, todos ou quase todos estarão vacinados, curados ou mortos" devido à propagação da variante Delta do novo coronavírus, que é "muito, muito contagiosa", declarou o ministro alemão.

Jens Spahn apelou mais uma vez aos alemães que se vacinem "com urgência", face à explosão de casos do SARS-CoV-2 nas últimas semanas no país.

A Alemanha, especialmente as regiões sul e leste, foi duramente atingida por uma nova onda de infeções, que os investigadores e políticos atribuem, em particular, a uma taxa de vacinação (68%) das mais baixas da Europa Ocidental.

Diante do ressurgimento do vírus, que já matou mais de 99 mil pessoas no país desde o início da pandemia, a chanceler alemã cessante, Angela Merkel, e o seu provável sucessor, Olaf Scholz, decidiram na quinta-feira endurecer as restrições para os não vacinados, mas excluíram a vacinação obrigatória para toda a população.

"Atualmente temos uma quarta onda, temos uma situação muito, muito difícil em muitos hospitais na Alemanha", disse Spahn numa conferência de imprensa.

"Estamos a ver essa onda espalhar-se gradualmente para o oeste", acrescentou o ministro. As unidades de cuidados intensivos dos hospitais estão a chegar a um ponto de saturação, principalmente por falta de pessoal.

Nos últimos dias, a Alemanha tem registado números sem precedentes de infeções, ultrapassando o limite de 65.000 contágios diários na semana passada. Esta segunda-feira, a taxa de incidência a sete dias bateu o recorde de 386,5 infeções por 100 mil habitantes.

Angela Merkel, que está prestes a deixar o poder, lamentou esta quarta onda "altamente dramática", enquanto os líderes alemães pretendem uma limitação drástica da vida social dos não vacinados.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG