Alcançado acordo político sobre certificado sanitário para salvar verão

ATUALIZADA. Certificado entra em vigor no dia 1 de julho. A presidência portuguesa do Conselho e o Parlamento Europeu alcançaram acordo sobre o certificado sanitário para facilitar a livre circulação na UE no contexto da pandemia da covid-19.

A presidência portuguesa do Conselho e o Parlamento Europeu alcançaram esta quinta-feira um acordo político sobre o certificado sanitário para facilitar a livre circulação na UE no contexto da pandemia da covid-19, a tempo de salvar a época de verão.

O acordo interinstitucional provisório em torno da implementação de um "certificado digital covid-19 da UE" foi alcançado esta quinta-feira ao final da tarde, em Bruxelas, na quarta ronda do trílogo - a designação dada às reuniões que juntam representantes das três instituições da UE envolvidas nos processos legislativos -, devendo agora ser confirmado pelos 27 Estados-membros, Comissão e assembleia no seu todo, indicaram à Lusa fontes europeias.

O certificado sanitário para facilitar a livre circulação na UE no contexto da pandemia deverá entrar em vigor em 01 de julho, segundo o compromisso político alcançado esta quinta-feira entre a presidência portuguesa do Conselho e o Parlamento Europeu.

Depois de os negociadores da presidência portuguesa e da assembleia europeia terem chegado ao final da tarde a um acordo sobre o "certificado digital covid-19 da UE", o texto do compromisso, que enquadra juridicamente o documento digital a atestar a vacinação, testagem ou recuperação, deverá ser ainda formalmente adotado pelas instituições, e os Estados-membros terão de desenvolver as infraestruturas técnicas e garantir a interoperabilidade dos sistemas de reconhecimento do certificado.

A nível do Conselho (Estados-membros), que havia dado um mandato à presidência portuguesa para negociar com o Parlamento Europeu (PE), o compromisso será analisado já na sexta-feira de manhã, em sede de Comité de Representantes Permanentes, ou seja, numa reunião dos embaixadores dos 27 em Bruxelas, atualmente presidido pelo embaixador Nuno Brito, que liderou as negociações por parte do Conselho.

Por seu lado, o negociador-chefe do Parlamento Europeu, o espanhol Juan Fernando López Aguilar, indicou hoje que o texto vai a votos na comissão parlamentar de Liberdades Civis -- à qual preside -- já na próxima quarta-feira, 26 de maio, e deverá ser adotado pelo conjunto do plenário na sessão que decorrerá entre 07 e 10 de junho.

Após estes procedimentos, a presidência portuguesa do Conselho, a assembleia e a Comissão Europeia assinarão a legislação, com vista à sua entrada em vigor em 01 de julho.

O acordo interinstitucional provisório em torno da implementação de um certificado sanitário covid-19 foi alcançado hoje ao final da tarde, na quarta ronda do trílogo, a designação dada às reuniões que juntam representantes das três instituições da UE envolvidas nos processos legislativos.

Esta era a derradeira tentativa de um entendimento interinstitucional, a poucos dias de um Conselho Europeu extraordinário (24 e 25 de maio), que tem entre os principais assuntos em agenda a implementação do certificado - que, de acordo com o compromisso hoje 'fechado', terá então a designação de "Certificado Digital Covid-19 da UE", a tempo do levantamento de restrições de viagens para a época turística do verão.

Este 'livre-trânsito', que estará disponível em formato digital e papel, é considerado um elemento fundamental para ajudar à recuperação económica da Europa no contexto da crise pandémica, designadamente para que "turismo possa ser uma fonte de reanimação da economia este verão", como apontou recentemente o primeiro-ministro e presidente em exercício do Conselho da UE, António Costa.

Os setores do turismo e das viagens representam cerca de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG