Homem que feriu polícia e roubou arma em Nantes é morto pela polícia

Cerca de 80 polícias foram destacados para encontrar o suspeito em fuga.

Um homem, conhecido por ter distúrbios psicológicos, feriu esta sexta-feira gravemente uma polícia municipal, roubando-lhe a arma de serviço, e provocando ferimentos noutros agentes, perto da cidade de Nantes, em França, tendo sido depois abatido.

O homem, com cerca de 40 anos, feriu gravemente com uma faca uma mulher que integrava a Polícia Municipal de Chapelle-sur-Erdre, perto da cidade de Nantes, tendo depois roubado a sua arma de serviço e conseguido fugir do local.

O homem já era conhecido das autoridades, tendo saído recentemente da prisão, segundo os meios de comunicação franceses. Ainda na prisão, o homem teria sido diagnosticado com esquizofrenia e sinalizado como tendo sido radicalizado, seguindo uma prática rigorosa do Islão.

Esta fuga deixou a cidade em estado de sítio, com escolas e outros estabelecimentos públicos a ser fechados, com receio de que o episódio constituísse um ato de terrorismo. O ministro da Administração Interna, Gerald Darmanin, esteve no local.

Horas mais tarde, o homem acabou por ser identificado e abatido pela polícia, depois de ter ferido dois agentes da ordem com tiros disparados com a arma roubada.

O ataque aconteceu no mesmo dia em que o ministro da Justiça, Eric Dupond-Moretti, pediu aos juízes franceses que mostrassem "firmeza" ao lidar com pessoas consideradas culpadas de ataques às forças policiais.

Todos esses casos de violência devem ir a um tribunal criminal, disse o governante num memorando aos magistrados de investigação vistos pela AFP.

Os polícias franceses exigiram melhor proteção e punições mais severas para os ataques contra eles.

No início deste mês, o oficial Eric Masson foi morto a tiros enquanto investigava uma atividade num conhecido local de tráfico de drogas na cidade de Avignon, no sul do país. A morte de Masson ocorreu após o assassinato, a 23 de abril, de Stephanie Monferme, uma funcionária da polícia que foi esfaqueada até à morte na cidade de Rambouillet, nos arredores de Paris, no último ataque jihadista em França.

Notícia atualizada às 15.00.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG