Agência Europeia poderá ter conclusão sobre vacina da AstraZeneca no "final de janeiro"

Até ao momento, o regulador europeu deu a luz verde para a utilização no espaço comunitário de duas vacinas contra a covid-19: a da Pfizer/BioNTech e da Moderna.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) anunciou esta sexta-feira que poderá concluir a sua avaliação sobre a vacina da farmacêutica AstraZeneca e da universidade de Oxford no "final de janeiro".

Através da rede social Twitter, a EMA sublinha que "depois de ter recebido mais dados da empresa", está "à espera de que a AstraZeneca submeta uma candidatura para a autorização condicional de marketing da sua vacina contra a covid-19 na próxima semana".

Caso isso aconteça, e "dependendo dos dados e do progresso da avaliação", a agência europeia refere que poderá ter uma "possível conclusão" sobre a vacina em questão no "final de janeiro".

Até ao momento, a EMA deu a luz verde para a utilização no espaço comunitário de duas vacinas contra a covid-19: a da Pfizer/BioNTech e da Moderna.

A vacina da Moderna, com uma eficácia comprovada superior a 90%, foi a segunda a ter aval da EMA, na passada terça-feira, após a aprovação, em 21 de dezembro de 2020, do fármaco desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, que está a ser utilizado no espaço europeu desde 27 de dezembro.

Segundo o executivo comunitário, a Moderna vai disponibilizar à UE 160 milhões de doses da vacina entre o primeiro e o terceiro trimestres de 2021, como anteriormente acordado entre Bruxelas e a farmacêutica.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou esta sexta-feira que a Comissão Europeia chegou a acordo com a Pfizer e BioNTech para a aquisição de 300 milhões de doses adicionais da sua vacina contra a covid-19, perfazendo um total de 600 milhões de doses da vacina.

Além destas duas, a Comissão Europeia tem uma carteira com quatro outras potenciais vacinas: AstraZeneca, Sanofi-GSK, Johnson & Johnson e CureVac.

Até ao momento, no entanto, apenas a Moderna e a Pfizer e BioNTech pediram autorização à EMA.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.884.187 mortos resultantes de mais de 87,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG