Ximenes Belo espera que contribua para democratizar a China

O bispo timorense Ximenes Belo manifestou o desejo de que a atribuição hoje do prémio Nobel da Paz ao dissidente chinês Liu Xiaobo contribua para a democratização da China.

Em declarações à Agência Lusa, Ximenes Belo, laureado com o Nobel da Paz em 1996, disse que o galardão "está bem atribuído", por se estar perante alguém que "luta pela democratização na China e, sobretudo, pelos respeito dos direitos fundamentais da pessoa humana".

"Esperemos que o prémio contribua para consciencializar o Partido Comunista chinês de que é preciso democratizar o país e os líderes chineses respeitarem os direitos humanos", sublinhou.


Mais Notícias

Outras Notícias GMG