Usar barba comprida valeu-lhe seis anos de prisão

O homem de etnia uigure, de religião muçulmana, foi condenado por "causar problemas", usar barba comprida e incentivar a sua mulher a "tapar a cara".

Ambos foram declarados culpados por um tribunal da cidade de Kashgar, na região de Xinjiang, por "causar problemas", um delito impreciso frequentemente usado pelas autoridades chinesas, e pelo qual a mulher, que segundo o diário se veste com véu e burca, foi condenada a dois anos de prisão.

A informação foi publicada no portal de notícias Youth.cn, no domingo.

A sentença surge depois de diversas medidas implementadas pelas autoridades chinesas em Xinjiang - onde convivem a minoria uigur e a maioria han - para desincentivar o uso de roupas que cubram todo o corpo, no caso das mulheres, ou o uso de barbas compridas, para os homens.

No passado mês de janeiro entrou em vigor em Xinjiang uma norma que proíbe que se usem véus que cubram toda a cara em público e vestes que tapem todo o corpo, como as burcas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG