Rebeldes mostram a retirada das armas do Leste da Ucrânia mas Kiev duvida

Primeiro-ministro britânico anunciou que o seu país irá ajudar a treinar o exército ucraniano para conter a ameaça de Moscovo. Presidente russo, Vladimir Putin, garante que um cenário de guerra com a Ucrânia é "improvável".

Os combatentes ucranianos pró-russos anunciaram, ontem, que estavam a retirar as armas pesadas da linha da frente, como estipulado no Acordo de Minsk de 12 de fevereiro. Kiev duvida e afirma que os separatistas estão a usar o cessar-fogo para reforçar as suas posições e poder avançar. Entretanto, Londres anunciou que vai enviar para Kiev pessoal militar para treinar e aconselhar os militares ucranianos.

Os combates entre as forças rebeldes e o exército ucraniano registaram uma redução de intensidade nos últimos dias, o que fez aumentar a esperança de que o cessar-fogo, agendado para entrar em vigor no passado dia 15, seja uma realidade.

Ontem, jornalistas da Reuters presentes no território sob controlo dos rebeldes viram dez camiões, carregados com obuses e outras armas pesadas, atravessar Makiyvka, perto da cidade de Donetsk. Os rebeldes afirmaram aos jornalistas que as armas tinham saído de Donetsk e iam para Amvrosiyvka, uma cidade longe da frente e perto da fronteira russa.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no epaper do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG