Rebeldes ignoram cessar-fogo na cidade cercada de Debaltseve

As armas calaram-se no leste do país. A situação já averbada pelos promotores do Acordo de Minsk é, no entanto, bastante frágil e a desconfiança das duas partes é uma realidade

Os rebeldes pró-russos repudiam o cessar-fogo para a cidade de Debaltseve e recusaram, ontem, o seu acesso aos observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). No entanto, este incidente não impediu que a OSCE confirmasse que a trégua, entrada em vigor à meia-noite, está a ser respeitada na generalidade do Leste da Ucrânia. Posição idêntica foi assumida por França e Alemanha, os dois promotores do Acordo de Minsk, que sublinharam a urgência de encontrar uma solução para os "incidentes".

Em contacto telefónico com a Reuters, o comandante rebelde Eduard Basurin explicou a razão da sua recusa em aceitar o cessar-fogo em Debaltseve. "Naturalmente que podemos abrir fogo [sobre Debaltseve]. É território nosso. O território é interno: nosso. E interno é interno", disse Basurin, adiantando que "ao longo da linha de confrontação não há tiros".

Ertugrul Apakan, chefe da missão de observadores da OSCE, confirmou a existência de tiroteios esporádicos em Debaltseve e Lugansk, com os dois lados a responsabilizarem-se mutuamente pelas violações do cessar-fogo.

Mas o facto de, em algumas zonas do Leste da Ucrânia, os soldados terem trocado as metralhadoras pela bola e fazerem das ruas estádios de futebol não significa que todos pensem que a calma está para ficar.

"Trégua? Duvido. Talvez durante dois ou três dias, e depois eles voltarão a atacar. Isto não passa de um espetáculo. Os carros da OSCE andam por aí, por isso está tudo calmo", disse Maxim, um rebelde num checkpoint da estrada de Donetsk.

Leia a versão integral na edição impressa do DN e no e-paper

Mais Notícias

Outras Notícias GMG