Presumível líder da célula terrorista desmantelada na Bélgica continua em fuga

Autoridades belgas já desmentiram ligações entre a célula 'jihadista' desmantelada esta semana no país e a detenção no sábado de quatro pessoas em Atenas, na Grécia.

O alegado responsável da célula 'jihadista' desmantelada esta semana na Bélgica continua em fuga, confirmou hoje o ministro da Justiça belga, Koen Geens, sem desmentir a informação avançada pelos media segundo a qual este homem poderá estar na Grécia.

"Efetivamente, é esse o caso", afirmou Geens em resposta a um jornalista do canal flamengo VRT, que questionou o responsável sobre se o responsável pelos atentados continua em fuga.

No âmbito desta operação, o ministro enalteceu a detenção de quatro homens efetuada no sábado em Atenas, a capital grega.

"As detenções que ocorreram no sábado ainda não permitiram apanhar o responsável. Continuamos a procurá-lo ativamente e acredito que seremos bem-sucedidos", disse o responsável do executivo belga.

No sábado, militares belgas começaram a assumir a vigilância de locais considerados sensíveis na Bélgica, nomeadamente em Antuérpia, onde vive uma importante comunidade judaica, após o desmantelamento na quinta-feira de uma célula terrorista que preparava atentados no país.

Já esta manhã, as autoridades belgas desmentiram ligações entre a célula 'jihadista' desmantelada esta semana no país e a detenção no sábado de quatro pessoas em Atenas, na Grécia.

A imprensa belga noticiou no sábado que a célula islamista desmantelada quinta-feira na Bélgica seria coordenada a partir da Grécia por um ex-combatente 'jihadista' regressado da Síria.

Na tarde de sábado, a polícia grega deteve quatro pessoas que se suspeitava estarem relacionadas com o caso belga, mas não foi possível confirmar que o presumível chefe da rede 'jihadista' belga estivesse entre os detidos.

Segundo informações policiais fornecidas à imprensa grega, as caraterísticas de um dos detidos num bairro de Atenas coincidiam com a descrição feita pela Bélgica.

A polícia grega recolheu amostras de ADN e impressões digitais para enviar para Bruxelas a fim de confirmar a sua identidade.

Os meios belgas noticiaram no sábado que o suspeito de dirigir a célula terrorista teria mantido contactos telefónicos com o irmão de um dos alegados terroristas que morreram em Verviers.

O porta-voz da investigação não confirmou a identidade do suposto cérebro da célula belga.

Uma operação antiterrorismo realizada na quinta-feira pela polícia em várias cidades da Bélgica resultou na detenção em Verviers de um suspeito e na morte outros dois presumíveis 'jihadistas', que alegadamente planeavam ataques.

Cinco pessoas foram formalmente acusadas de "participação em atividades de um grupo terrorista" e três delas ficaram em prisão preventiva.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG