Ponto de situação: o que se sabe da caça aos suspeitos do atentado de Charlie Hebdo

A França anda na caça ao homem dos dois irmãos suspeitos de matar 12 pessoas nos escritórios de Paris da revista satírica francesa Charlie Hebdo.

A identidade dos suspeitos

A polícia emitiu um mandato de prisão para Cherif Kouachi, de 32 anos, um jihadista conhecido desde 2008 pelo envolvimento a uma rede de combatentes para o Iraque e para o seu irmão, Saïd, de 34 anos. As autoridades identificaram ainda um terceiro suspeito, de 18 anos, chamado Hamyd Mourad, que acabou por se entregar.

A polícia francesa decidiu publicar as fotos dos dois homens em fuga, com um apelo ao público para obter mais informações e alertando que estão armados e que são perigosos.

Locais onde a polícia tem feito buscas

A polícia francesa isolou um posto de gasolina em Villers-Cotterets, no norte de França, onde testemunhas afirmaram terem visto os dois suspeitos num carro, ontem de manhã.

A polícia tem ainda bloqueado algumas estradas e dirigem-se em direção à cidade de Corcy, no norte da França, onde possivelmente possam estar refugiados.

Entretanto, as forças contra o terrorismo deslocaram-se para uma grande floresta a nordeste de Paris, perto de onde os suspeitos foram avistados.

Apesar das buscas de milhares de forças de segurança francesas, o paradeiro dos supostos suspeitos responsáveis pelo pior ataque em solo francês, ainda é desconhecido.

Polícia francesa prendeu 9 pessoas durante a noite

A operação anti-terrorismo está a ser liderada por milhares de polícias de Paris, pela polícia nacional francesa, pela Direção-Geral da Segurança Interna do país e pelas forças especiais.

Foram feitas nove detenções, disse o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve.

Polícia morre num outro tiroteio

Uma polícia foi morta a tiro no sul de Paris, perto de Mountrouge, num ataque distinto do de Charlie Hebdo. Nesse ataque, um varredor de rua também foi ferido e mantém-se em estado grave. As forças policiais deslocaram-se ao local para averiguar a situação. Não está claro se existe uma ligação com o ataque de ontem à sede do jornal satírico francês.

Testemunha do ataque, Ahmed Sassi, disse que o responsável "usava roupas escuras, sem máscara, e usava uma arma pequena por a segurar apenas com uma mão".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG