Moscovo felicita acordo de Genebra

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, felicitou hoje o acordo de Genebra sobre o programa nuclear iraniano, considerando que este não tem "perdedores".

"Ninguém perdeu, toda a gente acaba por ganhar", afirmou Lavrov, citado por agências russas no final das negociações de Genebra nas quais participou.

O acordo, explicou Lavrov, abre a via a inspeções mais profundas ao programa nuclear iraniano pela Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), reforça a confiança no Médio Oriente e diminui os temores de uma proliferação nuclear.

"Agora vai ser muito difícil contornar os dados recolhidos pela AIEA. Estamos convencidos de que o Irão vai cooperar de boa fé com a agência", declarou Lavrov aos jornalistas russos.

Nos próximos seis meses, as negociações vão fixar "os parâmetros dos quais o Irão precisa para prosseguir uma atividade nuclear pacifica, designadamente produzir urânio para as centrais nucleares e para os reatores de investigação e que funcionam para fins médicos ou humanitários", adiantou.

O chefe da diplomacia russa também felicitou a suavização das sanções ocidentais pedida pelo Irão e prevista no acordo.

"Nós não reconhecíamos estas sanções unilaterais, por isso é correto diminuir a pressão sobre o Irão eliminando as sanções unilaterais", sublinhou.

Lavrov também felicitou o novo presidente iraniano pela vontade séria de chegar a um acordo. "Com a chegada de um novo presidente no Irão, nós sentimos que as declarações sobre a vontade de resolver este contencioso tinha uma base séria", declarou.

"Os 5+1 e o Irão conseguiram", afirmou Lavrov hoje de manhã, com um entusiasmo não habitual, na sua conta do Twitter.

As grandes potências mundiais chegaram esta noite a acordo com o Irão, que se comprometeu a não enriquecer urânio acima de 5% durante seis meses em troca do alívio de sanções, informou a Casa Branca.

O acordo entre o Irão e as seis potências mundiais (os cinco membros do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha), concluído hoje em Genebra, prevê que o Irão também desmantele "os conetores técnicos" que permitem o enriquecimento acima de 5%.

Com este compromisso, as potências garantem o alívio das sanções contra o Irão, avaliadas em sete mil milhões de dólares, durante seis meses, mas se o país não cumprir por completo o acordo as sanções voltarão a entrar em vigor.

No âmbito do acordo alcançado, o Governo iraniano comprometeu-se a parar o enriquecimento de urânio até 20% e só poderá fazê-lo abaixo de 5%, apenas o suficiente para ser utilizado em atividades civis, a não expandir as centrais nucleares de Fordo e Natanz e a parar a construção da central de Arak, onde se poderia produzir plutónio.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG