Mistério do desaparecimento talvez nunca seja resolvido

O chefe da polícia da Malásia advertiu hoje para a possibilidade de as autoridades nunca virem a resolver o mistério do desaparecimento do avião da Malaysia Airlines, perante as inconclusivas investigações criminais, em curso há três semanas.

"Deem-nos mais tempo", pediu o inspetor-geral da polícia, Khalid Abu Bakar, aos jornalistas, em Kuala Lumpur, de acordo com a Dow Jones Newswires, admitindo: "Talvez nunca venhamos a saber a verdadeira causa deste acidente".

Uma consideração que provavelmente não será bem acolhida pelos familiares dos passageiros do avião, sobretudo pelos chineses, que têm atacado duramente o Governo da Malásia e a companhia aérea, apelidando-os de incompetentes, "mentirosos" e "assassinos".

Dois terços dos passageiros a bordo do Boeing da Malaysia Airlines são chineses.

A polícia malaia informou estar a investigar os antecedentes das 239 pessoas que seguiam a bordo do avião, incluindo os 12 membros da tripulação, bem como pessoal de terra e engenheiros.

A investigação criminal tem sido focada na possibilidade de sequestro, sabotagem ou problemas psicológicos entre os passageiros ou tripulantes.

Khalid afirmou que, até ao momento, a polícia já recolheu mais de 170 declarações.

"A investigação está em curso, ainda há mais pessoas que precisam de ser entrevistadas", disse, recusando facultar mais detalhes.

O Boeing 777 desapareceu a 08 de março, pouco depois de descolar de Kuala Lunpur, rumo a Pequim.

As operações de busca, envolvendo vários países, prosseguem no Oceano Índico.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG