Ofensiva contra Al-Qaeda no Mali só no final de 2013

A ofensiva para desalojar a Al-Qaeda e outros grupos do Norte do Mali só deve acontecer a partir de setembro ou outubro de 2013, afirmou um dirigente da ONU na sexta-feira, noticia a AP.

O chefe das operações de manutenção de paz da ONU, Herve Ladsous, afirmou que vários peritos sustentaram nas Nações Unidas que é preciso formar as forças armadas do Mali antes de qualquer operação militar.

Depois de esta formação estar feita coloca-se o problema da estação das chuvas, que deve acabar em setembro, adiantou.

Esta posição vai desapontar os que, no Ocidente, em África e nas Nações Unidas, têm defendido que é urgente uma intervenção militar, liderada pelos africanos, para impedir que a África Ocidental se torne num local favorável a terroristas e traficantes de droga.

Está previsto que a França apresente, no início da próxima semana, ao Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução que autorize a formação das forças armadas do Mali e a mobilização de uma força militar internacional.

O embaixador francês na ONU, Gerard Araud, já disse que a resolução deve promover duas abordagens, uma militar e outra política, e incluir referências e relatórios regulares ao Conselho de Segurança, para avaliar as capacidades operacionais daquela força.

"De forma muito clara, os peritos disseram-nos que não deve acontecer o que quer que seja antes de setembro ou outubro por várias razões, associadas à necessidade de formação do exército do Mali e também com fatores climatéricos", disse Ladsous à imprensa, sublinhando: "Esta é uma zona muito difícil do mundo".

No início desta semana, o chefe político da ONU, Jeffrey Feltman, disse ao Conselho de Segurança que os planificadores políticos e militares da Comunidade dos Estados da África Ocidental, bem como da ONU, da União Africana e do Mali, têm estado a trabalhar num plano operacional para a ação militar.

Mas adiantou também que permanecem questões quanto à liderança, abastecimento, formação, equipamento e financiamento da força militar internacional.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG