Ban Ki-moon convence Brahimi a ficar

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, convenceu o mediador para a Síria, Lakhdar Brahimi, a permanecer no seu posto depois da recente iniciativa conjunta russo-norte-americana sobre aquele país, indicou fonte da ONU.

Ban Ki-moon "solicitou ao representante especial [da ONU e da Liga Árabe] que permanecesse e ele aceitou", afirmou à imprensa o vice-secretário-geral da ONU Jan Eliasson.

Este saudou como "uma boa notícia" a iniciativa lançada por Washington e Moscovo.

Ban Ki-moon teve contactos telefónicos separadas, na quinta-feira, com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, e "várias conversas" com Brahimi, na quarta e quinta-feira, adiantou Eliasson.

Diplomatas na ONU tinham indicado que Brahimi expressara a vontade de se demitir antes do fim do mês de maio, perante o impasse da sua mediação.

Mas na quarta-feira Brahimi qualificou a iniciativa norte-americano-russa como "um primeiro passo muito importante".

Washington e Moscovo esperam poder organizar até ao fim do mês uma conferência internacional para encontrar uma solução política para o conflito sírio, de acordo com um entendimento estabelecido em Genebra em 330 de junho de 2012 pelas grandes potências.

O acordo não especifica porém o destino do Presidente sírio, Bashar al-Assad, e a oposição síria continua a considerar a sua partida como uma condição prévia a qualquer discussão.

"Saudamos esta iniciativa" americano-russa, disse Eliasson, acrescentando: "Esperamos vivamente que todos os envolvidos aproveitem esta ocasião e contribuam para uma resolução pacífica". Reconheceu porém que "há ainda muito a fazer".

Para além de Brahimi, disse, "uma equipa forte no seio das Nações Unidas" vai esforçar-se para "dar um élan" na direção de uma solução negociada.

Segundo o porta-voz da ONU, Martin Nesirky, Ban Ki-moon "felicitou" na quinta-feira Kerry e Lavrov pela sua iniciativa e "encorajou fortemente todas as partes a aproveitar esta ocasião".

A ONU e Brahimi "vão intensificar os seus esforços a este propósito", acrescentou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG