Médico americano devolve braço amputado há 40 anos

Um médico norte-americano devolveu hoje os ossos do braço de um soldado vietcong amputado há mais de 40 anos, durante a Guerra do Vietname.

O braço retirado numa operação em 1966 foi agora devolvido ao seu proprietário, o antigo soldado Nguyen Quang Hung, cidadão da cidade de Na Khe, nas ilhas centrais do Vietname, província de Gia Lai.

O médico Sam Axelrad viajou no sábado de Houston para Hanoi, capital do Vietname, com a intenção de devolver o braço e conhecer o antigo soldado Nguyen Quang Hung, que pretende agora usá-lo par reclamar uma pensão como inválido de guerra, um estatuto que lhe fora negado após ter perdido a sua documentação militar.

"Fui eu quem guardou este braço", disse Sam Axelrad à AFP, acrescentando que está "inacreditavelmente feliz" por poder devolver o braço o seu legítimo dono.

Nguyen Quang Hung chegou à base em 1966 à beira da morte depois de ter sido baleado e ter contraído gangrena.

"Quando amputei o braço, os médicos tiraram a carne e puseram-na de volta na perfeição com fios", disse Axelrad, de 74 anos, de Houston.

"Quando eu deixei o país, seis meses depois, não queria deitá-lo fora, por isso coloquei-o na minha mala e trouxe-o para casa", acrescentou.

Quarenta anos depois, Axelrad regressou ao Vietname e um jornalista local escreveu a história do braço, descobrindo que Hung está vivo e que o médico voltou para devolver os ossos.

Axelrad trabalhou durante meses com o consolado do Vietname nos Estados Unidos e com as autoridades de transportes, superando os obstáculos logísticos.

"Após algumas pesquisas, verificou-se que podemos ter um braço na nossa mala", referiu.

De acordo com Ron Ward, da JPAC, uma unidade norte-americana dedicada a prisioneiros de guerra e desaparecidos em combate, o regresso dos ossos à vida do veterano vietnamita é considerado como "um evento".

Ron Ward sublinhou que "é único na história da Guerra do Vietname que haja devolução de restos humanos".

O antigo soldado Hung, de 73 anos, pai de sete filhos, viúvo, emocionou-se por ter o seu braço de volta.

"Os ossos do meu braço são a evidência da minha contribuição na guerra, vou mantê-lo em casa", concluiu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG