Mariano Rajoy critica eleições antecipadas na Catalunha

Artur Mas convocou eleições antecipadas para o dia 27 de setembro e Mariano Rajoy comenta que é a terceira vez, em cinco anos, que os catalães têm de votar devido ao "falhanço da política".

O chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, considerou hoje que o anúncio de eleições antecipadas na Catalunha feito pelo presidente do governo regional catalão, Artur Mas, representa o "fracasso de uma política que apenas gerou instabilidade e incerteza".

Os catalães vão ser chamados às urnas em 27 de setembro para eleições regionais antecipadas, as terceiras em menos de cinco anos, depois dos escrutínios de 2010 e de 2012, em que Mas foi vencedor.

O intenso debate soberanista que atravessa a Catalunha nos últimos anos e a falta de maiorias sólidas apenas permitiu a Mas, líder da Convergência e União (CiU, nacionalista) governar por períodos de dois anos, sem conseguir aprovar um pacto fiscal com o governo central em Madrid nem um referendo "legal" sobre a independência catalã, como pretendia.

Na quarta-feira, Artur Mas anunciou que vai convocar novas eleições no seguimento de um acordo com o partido Esquerra Republicana (Esquerda Republicana), tendo em vista concluir o processo de soberania da Catalunha.

O presidente do governo espanhol (primeiro-ministro), Mariano Rajoy, afirmou hoje que Artur Mas vai obrigar os catalães a votar em eleições regionais pela terceira vez em cinco anos e que, só em 2015, "vai submeter os catalães a uma campanha eleitoral de oito meses". Neste ano, na Catalunha, haverá eleições municipais, regionais e eleições gerais.

"Isto fez-se para tentar ir ao encontro dos critérios da Convergencia i Unió (CiU) e da ERC (Esquerra Republicana Catalana)", disse Rajoy, acrescentando que Mas "esqueceu-se" do interesse geral das pessoas, dos problemas do desemprego e outros problemas económicos, preferindo resolver problemas do seu partido.

Rajoy considerou que esta decisão "não tem qualquer sentido. Pura e simplesmente é a constatação de um fracasso e caberá aos cidadãos da Catalunha dar a sua opinião sobre este assunto", acrescentou, considerando ser uma questão "de extrema gravidade".

Hoje, a presidente do Partido Popular (PP) da Catalunha, Alicia Sánchez-Camacho, reagiu ao anúncio de eleições antecipadas, afirmando que "os catalães não merecem ser reféns da estratégia independentista de Artur Mas".

"Mas tomou a pior decisão, a mais errática, a mais prejudicial para os catalães, que precisam de um governo que resolva os seus problemas", salientou.

O Partido Socialista espanhol (PSOE), pela voz do secretário de Ação Política e Cidadania, Patxi López, disse que o acordo entre a CiU e a ERC "não é um pacto de unidade, mas um acordo para partir em dois a sociedade catalã".

"[De um lado estão] Eles, os nacionalistas, e os outros ficam no silêncio, de fora do espaço público e institucional da Catalunha", sublinhou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG