Líder radical islâmico entregue ao Tribunal Penal Internacional acusado de destruir monumentos

Pela primeira vez na sua história, o TPI investiga um caso relativo com a destruição de edifícios religiosos e monumentos históricos.

Um líder de um grupo radical islâmico do Mali, ligado à Al-Qaeda, foi entregue hoje ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, na Holanda. É suspeito de ter tomado parte na destruição em 2012 de mausoléus em Tombuctu.

Pela primeira vez na sua história, o TPI investiga um caso relativo com a destruição de edifícios religiosos e monumentos históricos.

Ahmad al Faqi al Mahdi, do grupo radical islâmico Ansar Dine, foi entregue ao TPI "por autoridades do Níger e chegou à unidade de detenção do Tribunal, na Holanda", anunciou o TPI num comunicado, precisando que o mandado de captura de Al-Faqi datava de 18 de setembro de 2015.

Em 2012, insurgentes ligados à rede Al-Qaeda (Ansar Dine e AQMI) tomaram Tombuctu - a cerca de mil quilómetros a nordeste da capital do Mali, Bamako - e destruíram monumentos históricos e religiosos da cidade, incluindo santuários islâmicos catalogados pela UNESCO como património mundial.

Tombuctu, batizada como "a cidade dos 333 santos" dispõe de muitos túmulos e mausoléus de santos e eruditos, o que sempre suscitou a recusa dos elementos mais ortodoxos da ala sunita, cuja visão da religião os leva a considerar idolatria e heresia qualquer outra forma de culto ou adoração que vá além do mais rigoroso monoteísmo.

Cerca de 4000 manuscritos foram perdidos, roubados ou queimados, durante a tomada islâmica e 10 000 outros descobertos em condições de armazenamento desadequadas.

A agência da ONU começou a reconstruir Tombuctu, com o governo maliano e outras organizações internacionais, depois de uma operação militar, liderada pela França, em 2013 que levou os 'jihadistas' a abandonarem a cidade.

A reconstrução, que teve início no ano passado, depende fortemente de métodos tradicionais de construção e de conhecimento cultural da área, gerou aproximadamente 140 empregos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG