Visita Medvedev à Crimeia é "provocação deliberada"

A Ucrânia qualificou de "provocação deliberada" a visita hoje do primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, à Crimeia, península ucraniana anexada à Rússia, no dia das eleições presidenciais ucranianas.

"A visita do primeiro-ministro russo à Crimeia ocupada, no dia das eleições presidenciais na Ucrânia, é (...) uma provocação deliberada que visa desestabilizar a situação na Ucrânia", declarou o Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano num comunicado.

Kiev considerou igualmente a visita "contrária ao desejo expresso pelo presidente Vladimir Putin de que as eleições na Ucrânia se desenrolassem com calma e serenidade".

Na sexta-feira, o presidente, Vladimir Putin, afirmou que reconhecerá os resultados das eleições, apesar de questionar a legitimidade do escrutínio.

A Ucrânia acusa a Rússia de instigar a sublevação no sudeste do país, em conflito armado entre as forças do governo provisório e os rebeldes pró-russos.

A grande incógnita das eleições presidenciais extraordinárias ucranianas é como vai correr a votação nas regiões orientais de Lugansk e Donetsk, proclamadas "repúblicas populares independentes" e cujos líderes recusam realizar um escrutínio que consideram ilegítimo.

A crise na Ucrânia foi desencadeada em novembro de 2013 com a decisão do presidente, Viktor Ianukovich, de não assinar um acordo com a União Europeia e de fortalecer os laços com a Rússia. Milhares saíram às ruas em protesto e, ao fim de três meses, Ianukovich foi deposto.

PAL (MDR) // SB

Outras Notícias GMG