UE lança operação contra imigrantes clandestinos

Os países do Espaço Schengen iniciam esta segunda-feira uma operação de localização e detenção de imigrantes clandestinos. A decorrer entre os dias 13 e 26 de outubro, a operação já foi criticada por organizações dos direitos humanos que a consideram desajustada à realidade europeia.

A operação "Mos Maiorum", lançada dia 13 e dirigida pelo ministério italiano do interior, tem como intenção "apreender os migrantes em situação ilegal" e "enfraquecer as organizações criminais de passadores", conforme é precisado no documento que foi aprovado pelo Conselho de Ministros europeu.

Os controlos vão ter lugar nas fronteiras externas da União Europeia e, avança a Al Jazeera, também em estações de comboios, centrais de camionagem e auto-estradas, mobilizando cerca de 20 mil polícias.

Várias organizações dos direitos humanos criticaram a "Mos Maiorum", chamando-lhe de "caça aos migrantes" e dizendo que há falta de clareza acerca da base legal da operação, da forma como esta vai decorrer na prática, e do destino que será dado aos imigrantes depois de serem apreendidos. A Euro-Mediterranean Human Rights Network acrescenta hoje em comunicado que "o Parlamento Europeu não parece ter sido informado da operação."

O diretor da organização alemã de direitos humanos ProAsyl, Karl Koop, diz ainda à Al Jazeera que "a Mos Maiorum é uma operação anti-refugiados. Os refugiados são o alvo desta operação, sejamos claros."

A ProAsyl estima que dos 150 mil a 400 mil imigrantes clandestinos que se estima estarem na União Europeia, a maioria serão refugiados que tentam fugir da insegurança nos seus países de origem.

A União Europeia defende que o programa é necessário para compreender melhor as rotas de migração ilegal, e que terá também utilidade no desmantelamento de organizações de tráfico humano.

Dos 22 estados da UE que pertencem ao Espaço Schengen, acompanhados da Suíça, Noruega, Liechtenstein e Islândia, apenas um país se absteve de participar na operação, diz a AFP citando uma fonte anónima.

Estando a operação sob o comando do ministério italiano do interior, os países participantes deverão prestar contas diárias às autoridades italianas.

A "Mos Maiorum" recebe o seu nome a partir do termo latino que designava os costumes dos antepassados, passados de boca em boca através das gerações.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG